Além do Jogo

O blog do Marcelo Damato

Governo do Rio tira do Vasco e dá ao Flamengo

Posted by Marcelo Damato em quarta-feira, 16 janeiro 2008

O título acima é uma provocação, mas não é tão exagerado quanto possa parecer.

O secretário de Esportes do Rio, Eduardo Paes, que há uns seis meses declarou que quem “manda no Maracanã” é ele, ameaçou não renovar o convênio com Flamengo e Fluminense para o uso do estádio, em razão da grande alta nos ingressos para o Estadual do Rio.

Segundo o secretário, o governo do Rio atualmente cobra desses clubes um aluguel camarada, abaixo do valor costumeiro, que não cobre todos os custos do Maracanã.

Ou seja os contribuintes do Estado do Rio torcedores de todos os clubes subsidiam o futebol de Flamengo e Fluminense. Mesmo contra a vontade. E por ordem de um governador vascaíno, Sérgio Cabral Filho.

O Botafogo também se beneficia de ter a gestão do Engenhão pagando um aluguel irrisório à Prefeitura do Rio. Se souber usar, pode transformar o estádio numa mina de ouro.  Quem banca esse subsídio são os cidadãos cariocas (de todos os times) e também do Brasil todo, pois o estádio foi feito com muito dinheiro da União, para o Pan.

No Rio, o único clube que não tem uma “mãozinha” assim é o Vasco.

Anúncios

15 Respostas to “Governo do Rio tira do Vasco e dá ao Flamengo”

  1. Onofri said

    Quem manda o Vaissssco jogar em São Januário?
    Eurico, venda já o estádio.

    Só se fizer isso, Onofri. No mundo, todo o futebol profissional é uma atividade empresarial, da iniciativa privada. No Rio, é cada vez mais bancada com dinheiro público. Ou seja, das pessoas. O único clube do Rio que construiu o próprio estádio é punido por isso.

  2. Rubens Leme said

    Uma das coisas que mais me assusta hoje em dia é a total falta de respeito dos dirigentes com a história de seus clubes. Vendo as administrações de Vasco, Flamengo, Palmeiras, Corinthians, fico pensando que esses presidentes de araques deveriam sentar numa sala de aula e aprender como foram construídos seus times, antes de tudo.

    São Januário tem uma história linda, assim como o Palestra Itália e acho sensacional a história dos lampiões do Corinthians. Se os antigos presidentes dos clubes vissem o que fizeram com os legados tão duramente construídos…

    Pois é, Rubens, acho que seria uma grande medida. E isso tinha que ser feito também com os conselheiros e sócios, que são as pessoas que põem os cartolas no poder. Mas, no futebol, as mudanças têm que vir de baixo.

  3. João said

    Marcelo, acho que vc não sabe da historia toda. Esse desconto que a Secretaria de Esportes oferece a Flamengo e Fluminense para utilizar o Maracanã não tem nada de favor, mas sim trata-se da lei do mercado, tão falada por você neste e em outros posts. Sabe o que aconteceu? Flamengo, ano passado, anunciou acordo financeiro com o Botafogo para jogar no Engenhão e, por conseqüência, deixar de utilizar o Maracana em jogos menores, ou seja, os que não forem os clássicos.
    Pois bem, esse mesmo Secretario de Esportes correu atras da diretoria do Flamengo e ofereceu, sem ninguem do clube pedir nada, o desconto nas taxas de utilização do Maracanã e ainda o estendeu ao Fluminense, que ate então nem havia entrado na historia e se beneficiou ficando parado, sem agir. O Secretario temia ver o Maracana ficar sem utilização, justamente por conta das altas taxas que cobram dos clubes. Não sou defensor da diretoria do Flamengo, ao contrario, sou contra eles. Mas nesse caso não houve qualquer conluio, algo tão comum quando se tem dirigentes de clube e politicos em uma mesma questão. O Flamengo se valeu da lei de mercado, costurou um acordo com o Botafogo para jogar no Engenhao e depois disso o Maracana foi oferecido a preços menores. Se quiser retirar, retirem, o Flamengo joga no Engenhão, pagando menos.

    Obrigado pela explicação, João. Pelo que diz, a questão é outra. Mas não sei se é. Se os clubes estivessem fazendo uma espécie de favor de jogar no Maracanã, o secretário não estaria agindo dessa maneira. E o que você chama de altas taxas? O aluguel do estádio não é uma porcentagem sobre a arrecadação? Em São Paulo, o Corinthians paga 15% da bilheteria como aluguel pelo uso do Pacaembu. Os clubes do Rio não pagam assim? Por quê?
    Além disso, é preciso fazer uma conta, ver se, com o desconto, ainda há vantagem para o estado. Mas para isso é preciso saber os números da coisa. Vou tentar ver isso. Obrigado

  4. Filemon said

    Marcelo, futebol é uma atividade privada, e se fosse bem administrada teria de dar lucro e tudo mais. Agora, eu não consigo achar ruim se parte do dinheiro dos impostos que eu pago irem para o Flamengo. Sim, eu sei que é uma discussão complicada, que os clubes são mal administrados e que muito desse dinheiro subsidiado vai para o ralo. Mas se eu pudesse direcionar pra onde iria o dinheiro que pago com impostos (serviços públicos de qualidade – saúde, educação, segurança, trânsito -, incentivo à cultura e uma parcela pro Mengo, com certeza). Será que isso é piração minha?

    Acho que é, Filemon. Se você vai redistribuir o dinheiro pelos clubes, só haveria duas maneira corretas de fazer isso: a primeira, “neoliberal”, seria pegar o dinheiro de um contribuinte e redirecioná-lo ao seu clube de coração. Nesse caso, seria melhor cortar essa parte do imposto e cada torcedor que decida se quer dar ou não – pois só o custo da burocracia já come um monte de dinheiro do imposto. A outra, “social”, implicaria redistribuir renda entre os clubes. Ou seja, dar aos clubes pequenos um pouco mais (e aos grandes um pouco menos) do que eles ganhariam na primeira proposta. Em nenhuma, o Flamengo se beneficiaria.
    Olhe por outro ângulo, você concordaria que uma parte do dinheiro dos impostos fossem dados às Igrejas? Eu certamente diria que não, ainda que fosse fiel de alguma.
    Além de tudo, tanto igrejas como clubes já recebem um monte de dinheiro público, por meio de isenção de impostos, loterias e outras coisas. Você ainda que dar mais? Faça como eu sugeri ao Maurício, faça uma doação direta ou organize uma entidade para arrecadar fundos para o Flamengo. Por força de lei, por meio do governo, é que não pode ser. Abraço

  5. Renato said

    Será que compensa ser competente no Brasil, no quesito futebol?

  6. Betão da cruz de malta said

    Concordo com vc Marcelo, o Fla, Flu e Fogo tem essas ajudinhas sim!!!!

  7. Guilherme Linux said

    Vasco : quem não sente orgulho, sente inveja.

    Caro Guilherme, seja bem-vindo ao debate. Espero que goste e fique. Mas deixe esse negócio de inveja para fora. Aqui queremos apenas trocar idéias, ok? Abraço e volte sempre

  8. Carlos Guilherme said

    Perfeita analise.

    Que poderia ser completada com o fato do mesmo clube que é beneficiado pagando taxas menores ao Estado pelo uso do Maracanã, foi aquele que teve seu Terreno, em plena Zona Sul do Rio, doado pelo Governo com fins esportivos e que tenta agora criar um shopping sem nunca ter gasto um centavo pra adiquirir o terreno na Gávea.

    E por outra grande coincidência, é o único clube brasileiro que tem como patrocinadora uma Estatal, uma empresa pública, que deveria ter seus gastos controlados pelo governo.

    Caro Carlos Guilherme, Seja bem-vindo ao debate. Espero que goste e volte mais vezes.
    Muito boa a sua lembrança sobre o que o Flamengo pretende fazer com um terreno que não comprou. A apropriação de bens públicos por particulares (com a permissão ds governantes, claro) é uma das causas da queda do poder de investimento do Estado brasileiro.
    Mas o Flamengo não é o único clube patrocinado por estatal, pelo menos não mais. Infelizmente há vários outros. Os times gaúchos já foram patrocinados pelo Banco Meridional. O Inter é patrocinado pelo Banrisul. O Flamengo não é exceção nem dentro da própria cidade. A Liquigás, que patrocina o Botafogo, pertence à mesma Petrobras que apóia o Flamengo.
    Certamente houve ou há outros casos que me escapam. Sem falar, os demais esportes, onde praticamnete todo patrocínio vem de estatal (Banco do Brasil, Petrobras, Correios, Telebrás), exceto para alguns clubes de vôlei e basquete e atletas individuais, E quando houve privatização, o patrocínio acabou (Eletropaulo, Embratel, Banespa).
    De uma certa forma, o Flamengo hoje em dia carrega sozinho uma cruz que não é mais apenas dele. A privatização do esporte de competição é urgente. Mas cada vez mais leis (PIva, INcentivo ao Esporte, Timemania etc) fazem o dinheiro público ser drenado para isso.

  9. João said

    O rancor e o mau-caratismo são péssimos conselheiros. Pergunto: qual dos clubes do RJ e de SP comprou os terrenos que ocupam hoje em dia? Todos foram doações. O Vasco, do infame Eurico Miranda, quando este era deputado federal, chantageou o governo de FHC em uma votação muito importante e disse que só votaria a favor se a União cedesse um terreno em área valorizada na Baixada Fluminense para que o Vasco construísse algo ali. Ganhou o terreno. Se construiu eu não sei, pois hoje o time da camisa do cinto-de-segurança aluga o antigo Fla-Barra.

    Tem certeza de que todos foram doações, João? Inclusive o terreno de São Januário?

  10. Plinio said

    Ah Marcelo, se toda a imprensa tivesse sua coragem (ou liberdade), creio que nosso esporte estaria mto melhor.

    É inacreditável como a doação do Engenhão passou incólume pela imprensa. Houve veículos até que a saudaram como “modernidade”! Um estádio que custou R$ 400 milhões aos brasileiros de TODOS os Estados, torcedores de TODOS os times, ser arrendado a um único clube pela bagatela de R$ 36 mil/mês, cerca de 11.111 avos de seu custo de construção. Ao mesmo tempo a TV nos mostra pais dormindo duas noites seguidas na fila para conseguir vagas nas escolas do RJ e pacientes atendidos em macas pelos corredores pois não há vagas nos hospitais cariocas.

    Perdoe Marcelo, mas não é apenas ao poder público que devemos cobrar. E a Rede Globo já nos vende que podemos bancar um Olimpíada. É de chorar.

    A cobrança à Rede Globo, Plínio, é mais simples. Basta mudar de canal. Como qualquer membro da sociedade, eles têm direito à opinião. Você pode chamar de propaganda, mas nem isso é crime. O que poderíamos fazer é organizar grupos de consumidores e enviar cartas à emissora. Mas, infelizmente para nós, a maioria quer a Olimpíada e não se importa muito com o custo. Um exemplo é o Pan.

  11. Gutemberg said

    Amigo, o BFR não está se beneficiando de nada nem paga aluguel irrisório de nada. O amigo distorce a realidade de acordo com não sei que interesses.
    O BFR GANHOU UMA CONCORRENCIA. Fora disso, o resto é invenção.
    Informe-se também antes de publicar as suas opiniões, a Liquigás é uma empresa da BR distribuidora, que não é a Petrobrás.

    Caro Gutemberg. Bem-vindo ao debate. Espero que volte outras vezes. Mas, das próximas vezes, tente se iformar melhor, ok? O Botafogo participou de uma concorrência em que era candidato único. E para participar da concorrência era preciso estar ligado a um clube grande do Rio de Janeiro, sendo que o Vasco não iria participar porque já tinha estádio. E Flamengo e Fluminense não participaram porque tinham interesse no Maracanã. Por fim, mesmo que fosse uma empresa da BR distribuidora, a que empresa esta pertence? À Petrobras. É só entrar no site da Liquigás e conferir. Espero que tenha eu te ajudado.

  12. Gutemberg said

    Bom dia, mas da próxima vez tente você nos informar melhor, OK?
    Amigo, a Liquigás não pertence à Petrobrás, e sim à BR-distribuidora, que NÂO é uma subsidiária da Petrobrás. Já foi, hoje em dia são duas empresas diferentes, apesar de ambas pertencerem majoritáriamente à união. Quanto à concorrencia, você só pode estar brincando, acho que certas horas é mais interessante reconhecer um erro.

    Perceba o que escreveu:
    “O Botafogo participou de uma concorrência em que era candidato único. E para participar da concorrência era preciso estar ligado a um clube grande do Rio de Janeiro, sendo que o Vasco não iria participar porque já tinha estádio. E Flamengo e Fluminense não participaram porque tinham interesse no Maracanã.”

    Todo o público carioca sabe , e portanto você como jornalista deve saber também, e acompanhou pelos jornais a disputa entre Fluimenses e Botafogo, com o Flamengo até cogitando entrar ou não. Com o tempo, o projeto do Botafogo foi se caracterizando como mais sólido, e o Flamengo foi se retirando – houveram até rumores de que entraria junto com o Botafogo, ter seu estádio próprio (depois Márcio Braga falou que queria o próprio indepentenemente de outro agora) e começou a falar do Flamengo no Maracanã. Já o Fluminense, em cima da hora, também se retirou, vendo que não teria chance frente à proposta do Botafogo. Todos sabem e todo mundo acompanhou, inclusive os jornalistas, publicaram essas coisas. Pouco tempo antes da concorrência, surgiu essa NOVA história, depois levada adiante, de fla e flu fazerem um contrato para o Maracanã. A maneira com que você coloca a coisa no seu texto original, pode sugerir que o Botafogo esteja sendo favorecido por algo. Só para confirmar algo bastante óbvio: Concorrência é uma coisa aberta, certo? Foi uma con-cor-ren-cia. Portanto, se o Botafogo acabou como candidato único, é porque tinha a melhor proposta, e o Fluminense, que tinha uma proposta e muito interesse desde o começo, como toda a imprensa sabe, inclusive com o Sr. Horcades indo à Brasília, como o amigo talvez possa lembrar, para fazer marketing junto ao Lula não sei por que, em cima da hora não a entregou porque sabia que não tinha condições, pois não se estruturou para isso, ou sei lá o que. A história do Maracanã só apareceu DEPOIS de TODOS os jornais em suas colunas começarem a noticiar que o Botafogo era favorito pois tinha a melhor proposta. Ora, para essas coisas começarem a vazar públicamente, é porque no meio da imprensa esportiva e no meio futebolístico já se deve saber há pelo menos 10 dias, você há de convir, concordar e mais do que isso, saber.
    Espero que eu tenha lhe ajudado a nos informar melhor.

    Caro Gutemberg, Eu já não sei o que você pretende com isso, se é mal informado ou se está apenas brincando.
    Sugiro que ligue para Liquigas e para a BR Distribuidora dizendo que eles não são mais da Petrobras. Aparentemente, não sabem disso. Veja o sites da BR DIstribuidora e http://www.br.com.br/portalbr/calandra.nsf
    e da Liquigas http://www.liquigas.com.br/. Até mesmo o estatuto social da BR DIstribuidora, também no site, diz que a empresa pertence à Petrobras. E, se for ao site da Petrobras, está lá também que a BR Distribuidora é sua subsidiária.
    Sobre a concorrência, só me explica uma coisa. Como na concorrência da Arena do Pan, na Barra, em que não houve nenhuma restrição, o vencedor, uma empresa francesa, paga R$ 272 mil por mês, e o do Engenhão, muito maior, o aluguel é R$ 30 mil por mês? Qualquer empresa de administração de estádios como a do Amesterdam Arena, pagaria pelo menos um milhão por mês para explorar o Engenhão, tal é o potencial de retorno. Por fim, uma concorrência nunca é decidida pela pela qualidade do projeto, mas por preço. Ninguém deixa de participar de uma concorrência que é decidida porque acha que o projeto do concorrente é melhor.

  13. Renato said

    Este BLOG pode ser tudo menos uma coisa: ESCLARECEDOR. Levanta-se + dúvidas do q qualquer outra coisa. Simplesmente não há aprofundamento dos assuntos aqui abordados. Infelizmente este BLOG é o retrato atual mídia que impera em nossa sociedade. Vende-se + ESPECULAÇÕES do q informações. Assim eu pergunto dá para acreditar?
    P.S: Dou mão a palmatória se esta observação aqui descrita seja publicada

  14. Renato said

    Em tempo: Em vez de especular sobre como foi o arrendamento do Engenhão, porque este BLOG não entrevista o mandatário do B.F.R. ? Assim parariam essas discussões totalmente improdutivas e iríamos direto ao assunto. Seria jornalísticamente um assunto + agradável voce não acha?

  15. Lucio Silva said

    Lendo a coluna do Ancelmo Gois no Globo de 09.02.2008 sobre o patrocínio de R$ 16,2 milhões da Petrobrás ao Flamengo, gostaria de registrar a minha indignação e a naturalidade da imprensa (sempre muito sensível a ditadura da maioria) em tratar tal noticia, mesmo que ferindo principios éticos tão evidentes.

    Não é compatível com a missão de uma Estatal – mesmo de economia mista, cujo capital é majoritariamente detido pelo Governo – privilegiar um clube em detrimento dos demais, ou ainda em prejuizo de outras necessidades da sociedade.

    Assim, se sempre fui cliente da Petrobras, por nacionalismo e compromisso com meu País, deixarei de ser por discordar dessa prática de uso de seus recursos de forma não sintonizada com o interesse público. Portanto, se o argumento equivocado da direção da Petrobrás é de que a parceria com o clube de maior torcida (cerca de 25 %) favorece a venda de seus produtos, sugiro que os torcedores conscientes e os das demais torcidas (75%) promovam um boicote a tal Empresa.

    Caro Lucio, seja bem-vindo. Obrigado pela informação. Ela certamente merece um post. Escreva mais vezes e aproveite todo blog!

    Inclusive, se o Flamengo tem a maior torcida, ele ja reune as condições relativamente mais favoraveis para se manter. Mas infelizmente as tetas da nação continuam a ser o caminho mais conveniente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: