Além do Jogo

O blog do Marcelo Damato

O outro São Paulo

Posted by Marcelo Damato em segunda-feira, 28 janeiro 2008

O São Paulo perdeu a elegância após a partida do Morumbi.

O supervisor Marco Aurélio Cunha disse que o clube vai pedir que Salvio Spinola não apite mais as partidas do time.

“O São Paulo foi prejudicado com uma arbitragem previsível. Chega do Sálvio ser escalado em clássicos regionais e jogos do São Paulo. O São Paulo já está reclamando com o aval da presidência.”

O goleiro Rogério Ceni foi além:

“É uma vergonha. Já nos prejudicaram na quarta, contra o Ituano (1 a 1), quando eu sofri a falta. Era para estarmos encostados na liderança”.

O São Paulo já tinha conseguido o veto de arbitragens de Wilson Souza Mendonça numa época, e de Carlos Eugênio Simon, em outra.

63 Respostas to “O outro São Paulo”

  1. geraldo c araujo said

    O São Paulo está copiando o exemplo do Botafogo no Rio. Para aperfeiçoar o estilo, falta alguém como o Montenegro das “vitaminas”.

    Hahaha, essa foi boa, Geraldo. Mas, citando o Montenegro, é difícil não ser engraçado

  2. Esperar o quê de um árbitro que é cantado no hino do curintia? (“Salvio Curintias…)

    Caro Luiz Edmundo, seja bem-vindo ao debate. Escreva mais vezes.

  3. JoaoBittar said

    Marcelo,
    talvez esteja se perdendo a elegancia, se eh que se tem alguma . Desconfio dessa elegancia. Choradeira de “perdedor” eh sempre chata mesmo. Nao tem defesa.

    Mas me responda sinceramente : qual gol vc. achou mais duvidoso e passivel de ser anulado : o do Ituano ou de de Adriano ? E mesmo que vc. considere os dois igualmente, qual irregularidade mais vistosa ?
    Outra coisa : Caso o Salvio validasse o gol, duvido muitissimo que alguem estaria discutindo a jogada alem da sua plasticidade (foi um belissimo gol de cabeca, reconheça !!!)…O Felipe se conformou na hora e ele estava em cima do lance.
    Choradeira eh choradeira, um peh no saco. Bola pra frente….

    Bittar, não precisa convencer os convencidos. Como disse no Lance, nesse tipo de lance não se marca falta. O gol do Christian contra o Santos foi muito mais falta que esse e foi validado. Existe no futebol uma tradição de que usar o braço para se proteger, mesmo prejudicando o adversário, não é falta. Se é para mudar a tradição, que se mude. O que não pode é cada árbitro usar um critério.

  4. Cada um que defenda seus interesses. Em 1995 e 1998 ganhamos o Troféu Fair Play, alguém liga?

    Não, Michael, penso justamente o inverso. Se cada um se preocupar com seus interesses acima de uma moral coletiva, obriga-se a criar um sistema de repressão e controle que será caro e poderá limitar a liberdade das pessoas. O fair play é sempre o melhor caminho para o futebol (e para o mundo), ainda que não seja o melhor para um clube numa determinada situação.
    Pense numa sociedade. Se cada um agir segundo apenas os próprios interesses, vira barbárie.

  5. Leandro said

    Marcelo, o juiz não marcou um penalti e um gol. Foi muito ruim. Se todos os times reclamassem formalmente, talvez não estaríamos nessa situação horrorosa de árbitros. Estou assistindo regularmente os campeonatos inglês e italiano e não veja lá os juízes errando como aqui. Falando em juízes, de quem era o site de apostas na época do Edilson, heim? Ninguém fala mais nada…

    Caro Leandro, Para que serve reclamar desse jeito, senão para fazer pressão? Para apontar os erros, não serve, pois os programas de TV já mostram. A questão é que cada um só reclama quando é prejudicado. Quase ninguém está de fato preocupado com a arbitragem, apenas em não ser prejudicado. Já percebeu que, em qualquer polêmica, todas as pessoas ligados ao time beneficiado pela decisão apóiam o árbitro, todas as do outro lado o criticam e quase todas que não têm a ver com a questão se omitem? Isso não leva a lugar nenhum. Nos anos 70 e 80, era razoavelmente comum ver um jogador de um time que reclamava de um pênalti dizer que achava que não tinha sido e vice-versa. Isso é que é atitude digna. O que é preciso é tratar da arbitragem e não dos erros.

  6. heloisa ballarini said

    Marcelo,
    Acho que faz parte dos modos elegantes reclamar quando se sente prejudicado. Isso tambem pode ser muito elegante.
    Se estivesse no lugar deles, espernearia muito mais.
    Ainda bem que não estou lá!!!

    ps. gosto muito de futebol, sou são-paulina como vc. notou e sempre leio os posts e comentários do seu blog, aliás, o preferido do meu namorado. No meu caso é o único que vejo sobre o assunto. Bacana!

    Cara Heloisa, Seja-bem vindo ao debate. Escreva mais vezes. Sobre o seu comentário, acho que reclamar não fere a elegância, dentro de certos limites. Mas pedir para vetar árbitros ou ficar atribuindo a classificação atual do time à arbitragem já é passar desse limite. No Brasileiro do ano passado, torcedores de times rivais ao São Paulo listaram vários jogos com erros de arbitragem favoráveis ao Tricolor e que, se fosse usado o mesmo raciocínio, o Tricolor perderia quase toda ou toda sua vantagem. Da mesma forma que achei esse raciocínio errado antes, acho-o errado agora.
    E sobre vetos, a única forma de a arbitragem melhorar, é dar à comissão de arbitragem autonomia (com responsabilidade, claro). Vetos não deveriam nem ser cogitados, pois isso só faz a arbitragem regredir. Pense num caso semelhante, a Justiça Despotiva. Não é a ingerência política o principal entrave para que ela melhore, para que todos sejam tratados de forma igual?

  7. Maurício Souza said

    Acho que o grande problema é que todos os times só sabem reclamar quando são prejudicados, mas nunca admitem que já foram ajudados. O maior exemplo disso é o próprio São Paulo, que no ano passado foi favorecido por arbitragens em uma série de partidas.
    Liguem para a comissão de arbitragem e peçam logo os juízes que sempre te favorecem, ora pois!

    Maurício, Tirasse as palavras da minha boca. Nenhum time está preocupado com a arbitragem, apenas em não ser prejudicados. Cada um só puxa a brasa para a sua sardinha.

  8. JoaoBittar said

    o MauricioSouza,

    “…favorecidos em uma serie de partidas…” ?

    onde vc. leu isso ? no site do Corinthians ?
    Mexo e remexo, leio jornais e sites e nao li ninguem falando isso.

    Bittar, Acho que você só deve ler sites paulistas. No ano passado, a grita contra o favorecimento ao São Paulo na arbitragem se ouviu do Oiapoque ao Chuí. Não foram muitas as partidas, mas pelo menos umas quatro. Se a reclamação tem ou não razão, eu não discuto. Sugiro que comece a frenquentar fóruns dos times do Rio. Verá uma visão do futebol absolutamente inimaginável para paulistas, como nós.

  9. Rhay said

    arbitragens amadoras como no clássico são apenas exemplos.

  10. Maurício said

    Não entendi este post. Mais de 90% da imprensa especializada considerou o gol legal e condenou o árbitro. Não esquecer que ele sistematicamente prejudica o São Paulo. Está certa a diretoria em vetá-lo.

    Discordo, Maurício, Vetar árbitro é fazer uma pressão inaceitável sobre toda a arbitragem. Fica claro o recado “olha lá como você vai apitar os meus jogos. Se eu não gostar, você não apita mais”. Se o árbitro é ruim, tem que ser afastado de todos os jogos, não só de um time. A comissão de arbitragem não tem que aceitar pressão de time nenhum. Num país sério, um dirigente que tenta vetar um árbitro é suspenso e multado. Na Itália, se pune dirigente apenas por reclamar em público da arbitragem, além de um certo tom.

  11. Gustavo Oliveira said

    Pra você ver como o São Paulo é mais favorecido que os outros… Cada vez que se acham prejudicados pedem afastamento de arbitro, mas ainda a maioria esta apto. É fácil posar de bom moço quando tudo esta um mar de rosas (alias mar de rosas combina com eles). Mas toda vez que qualquer coisa sai do script tem pitty. Se todos os times prejudicados por arbitragem forem fazer isso não teria mais arbitro no Brasil. Errar faz parte.

  12. Maurício Souza said

    Não Bittar, não li isso no site do Corinthians. Seja imparcial, por favor! Vai me dizer que seu time não foi o mais favorecido em todo o campeonato? Veja bem, não quero dizer que o São Paulo não tenha merecido o título. Foi o melhor time, ponto final. Mas que foi o mais favorecido, disso eu não tenho dúvidas. Reveja jogo por jogo, analise as arbitragens antes de falar bobagem.

  13. Davi said

    Na verdade, para mim, o São Paulo não perdeu a elegância pelo contrário sempre foi deselegante no trato de coisas do futebol como juiz, contratações ou títulos (vide caso penta). Trata do seu e que os outros se danem ou corram atrás. Num país onde existe um Eurico Miranda isso torna-se mais mérito do que demérito.

    Não, Davi, não podemos desistir. Precisamos que todos se preocupem um pouco com o bem comum. Só assim, iremos progredir.

  14. Onofri said

    Tá resolvido! De agora em diante, os jogos do São Paulo serão apitados pelo Marco Aurélio Cunha…

    Seria divertido, Onofri. Antigamente havia árbitros baixinhos, mas como o Marco Aurélio eu não se se houve. Levando em conta a altura dos jogadores, certamente não houve.

  15. Rubens Leme said

    O Pigmeu e o Marqueteiro chorando…. que novidade. Jd. Leonor em polvorosa…

  16. Lucas Camargo said

    Prezado Marcelo

    Esta notícia parece contrariar o que vc me informou outro dia sobre o comportamento dos times paulistas no que diz respeito a vetos de arbitragens (ver Apito brasileiro na Copa :Terça-feira, 22 janeiro 2008 em 4:48 pm). Se assim for, meu argumento de então ganha considerável força, vc não acha?
    SRN

    Ganha, sim, Lucas, E o meu reconhecimento do erro já está respondido no outro post

  17. Maurício Souza, lembro bem que “favorecido” fomos somente com Paraná e Palmeiras e a questão do penalti no jogo contra o Atlético. Agora é que ninguem noticia/noticiou quando fomos “prejudicados”. Até pq, em muitas dessas situações contornamos o fato e vencemos.
    Mas lembra do penalti no empate contra o Fluminense? Eu mesmo não lembro agora, mas na epoca eu soletrava de cor esses erros.
    Erros…
    Elas por elas…
    A situação do jogo de ontem é meio (atençao ao meio) diferente, pois foram no mínimo 3 erros crassos, todos voltados para um lado somente. Tal qual talvez Engenheiro Beltrão e Londrina hehe.
    E cabe ao São Paulo o direito de fazer ou alardar o que quiser por seus interesses, dentro dos limites da lei, simples. Penso eu…

    É claro que o São Paulo tem o direito de tentar defender seus interesses, Michael. E cabe ao STJD punir quem ultrapassar os limites. Na minha opinião, tentar vetar árbitros, pelos motivos expostos na resposta ao Maurício, é passar muito do limite.

  18. JoaoBittar said

    MauricioSouza,

    nao se trata de imparcialidade , ninguem, e vc tb nao cita ninguem, levantou nenhuma suspeita sobre nenhum jogo. Nem mesmo no site do Corinthians. Assim seus argumentos sao subjetivos, e nem instigado pela minha resposta vc. citou algum erro. Nao lembra? Faz uma forcinha ahi e ve se lembra de algum.
    Mauricio, eh justo vc. dizer que EU to falando bobagem?

  19. Filemon said

    Qual é essa elegância mesmo? A de reconhecer que o Flamengo é o campeão brasileiro de 87, mas dizer que não abriria mão de ficar com a taça das bolinhas? Ou a elegância de reuniu conselho na véspera de um feriado e decidir e aumentar o mandato do presidente de dois pra três anos? Ou essa última de querer banir árbitro em lance que o país inteiro discutiu de ontem pra cá (porque é, no mínimo, discutível)?
    Marcelo, vamos tirar esse povo dessa redoma, de intocáveis.

    Desculpe, Filemon, na questão da taça de bolinhas, o Flamengo não tem razão nenhuma. A taça de bolinhas está para o Flamengo assim como a Copa Rio para o Palmeiras. Esses clubes menosprezaram essas conquistas durante anos. Sò resolveram valorizá-las quando outros clubes estavam a pôr a mão nelas. Além disso, a discussão sobre a taça de bolinhas, o Flamengo deveria ter tratado com a CBF, nunca com o São Paulo.
    Foi a CBF que decretou, acertadamente na minha opinião, o Sport como campeão oficial de 1987. O Flamengo foi campeão da Copa União, uma liga independente, que poderia ter mudado o futebol brasleiro, mas durou um ano só. Seria como se, caso a Nossa Liga de Basquete tivesse tido as melhores equipes, que o campeão da NLB quisesse ser declarado campeão oficial da CBB. Os times que disputaram a Copa União tomaram uma decisão de sair, de romper com o sistema oficial. O vencedor da Copa União tem tanta legitimidade quanto o campeão oficial, mas não pode receber os prêmios do campeão oficial. Não se deve confundir o penta com a taça.
    Para mim, esse caso da taça de bolinhas foi absoluta demagogia e manipulação perpetratadas pela diretoria do Flamengo, da mesma forma que a diretoria do Palmeiras fez no caso da Copa Rio. Se julgavam a causa tão importante por que levaram décadas (duas num caso, cinco no outro) para levantá-la?

  20. Denilson Martins said

    Acho que elegância seria o Corinthians entregar a vaga na final de 1998, em virtude do que o Castrilli fez, quem sabe também entregar o título retirado do Brasiliense pelo Simon, ou mais elegantemente ainda, devolver o título confessamente roubado (segundo o presidente a época) de 2005, pro Inter.
    Creio que a deselegância, mora no fato do péssimo MAC discutir isso em público, acho vergonhoso este fato, mas protestar contra os erros, nos meios adequados, acho algo legítimo da parte de quem teve seus direitos cassados ontem, pelo mediador da contenda.

    Denílson, disse as palavras-chave: “pelos meios adequados”.

  21. Márcio said

    Na minha opinião poderíamos vetar tds os árbitros brasileiros. Não só o “Sálvio Corinthians…”, mas tds. A carência de bons árbitros no futebol brasileiro é algo assustador. Não se salva um. Por mim, poderíamos trazer europeus, são mto mais sérios e marcam muito menos faltas (aquelas faltinhas q transformam o jogo em balé, como a de ontem do Adriano). Aliás, qual o problema de reclamar de um árbitro publicamente se este prejudica seu time em diversos jogos? (veja blog do mauro beting q comprova o caso do SP com Sálvio).

    Concordo contigo, Márcio, poderíamos trazer alguns árbitros estrangeiros. Quando o ex-presidente da FPF Eduardo José Farah fez isso no Campeonato Paulista, os árbitros brasileiros tiveram que mostrar mais serviço. O problema é que isso é um negocio caríssimo, a não ser que ele venha da Argentina ou Uruguai.

  22. Maurício Souza said

    Bittar: Falei que você estava falando bobagem por que você disse eu tinha lido que o São Paulo havia sido favorecido no site do Corinthians. Primeiro, por que não sou corintiano e fiquei extremamente ofendido. Segundo por que foi nítido que o São Paulo foi favorecido em várias partidas do Brasileiro do ano passado. Michel Serra, por favor. Vai falar que você não se lembra inúmeras matérias brotando no ano passado a respeito do seu time? Detalhe: não foi apenas seu time o favorecido: os principais rivais perderam pontos no meio do caminho de forma duvidosa. Você quer as partidas que os seus rivais perderam pontos por causa da arbitragem? Não vai dar, por que o espaço do post é muito pequeno.
    Portanto, repito o que disse: O São Paulo foi roubado ontem, de forma categórica. E está no direito de reclamar. Em compensação, quando foi favorecido no ano passado, poderia ter falado a mesma coisa. E estou citando o São Paulo por que é o último exemplo, e não por perseguição. Nenhum time teria a ética de afirmar que foi favorecido. O Corinthians não teve essa atitude ontem, nem o São Paulo teve no ano passado. E é essa a crítica que faço: os clubes deveriam ser mais éticos, e reconhecer quando foram ajudados ao invés de só reclamar quando foram prejudicados.

    Você ficou “extremamente ofendido” por ter sido chamado de corintiano, Maurício? Eu me sinto atingido. Se me chamam de são-paulino, palmeirense ou outras coisas, posso até corrigir, me ofender jamais. Por acaso os corintianos são alguma corja de leprosos, larápios ou assassinos? São apenas pessoas iguais a todas as outras que escolheram um clube diferente, nem melhor nem pior, apenas diferente.

  23. Pedro said

    Pelo menos no gol de Adriano o arbitro errou muito ! Adriano esta vindo de tras e sobe muito mais q o fraquissimo zagueiro do time adversario !
    Alias nao me surpreende nada esse tipo de arbitragem no campeonato paulista ! todos as rodadas a erros de arbitragem ! So q erros bisonhos !

  24. JoaoBittar said

    OK Mauricio,
    devemos estar enchendo o saco dos transeuntes ( hehehe) mas seu texto esta bem mais claro e inteligivel (prum cara meio burro como eu …) entendi seu ponto de vista. Desculpe a ironia ( apesar de “apropriada”) do site do Corinthians. Queria dar um exemplo extremo. Nao me pareceu bobagem no entanto.
    Citei apenas e tao somente aquele trecho do seu primeiro post, que me pareceu exagerado. Neste ultimo vc. relativizou bastante a “acusacao” e suas ideias ficaram mais claras.
    Obrigado pela atencao , de qq. maneira.

  25. Maurício Souza said

    Desculpe também se fui grosso, mas quando você falou que eu vi a notícia no site do Corinthians… fiquei meio chateado, digamos assim… hehehe! Mas meu português também não é dos melhores, portanto, entendo quando você diz que não entendeu meu primeiro post… bom, acho que o importante é discutirmos os temas, e acho que estamos chegando a algum lugar, certo? Um abraço!

  26. brandao said

    Marcelo,pode ser que o São Paulo, fazendo essa chiadeira não consiga o veto, mesmo porque o veto não é para sempre.
    Ocorre que na próxima vez que o Sálvio for apitar o jogo do são paulo, estará cheio de pressão, seja imprensa ou dirigentes (no Jogo Aberto da band, o chato Aurélio Cunha, só falou do veto em jogos do Paulistão). Esta pressão agora é para que no próximo jogo a questão da dúvida será sempre a favor do são paulo.
    abraço

    Sem dúvida, Brandão. É até razoável que a comissão de arbitragem não coloque o Sálvio no sorteio dos jogos do São Paulo por um tempo. Mas isso tem que ser uma decisão dela, de mais ninguém. E dirigente que pede veto tem que ser multado. Dirigente não pode fazer esse tipo de pressão. Os dirigentes -de qualquer time – devem prezar pela credibilidade do sistema e não destruí-la. Se acham que o sistema não tem credibilidade que tirem o time do campeonato. Chega de dirigente se comportando como torcedor.

  27. Emerson said

    Deixem o São Paulo chorar. Adriano fez falta. Dagoberto também. E o juiz não expulsou o Joilson e o Rick, como deveria. O resto é o velho choro tricolor. Desde a época do Telê, eles costumam chorar a todo momento. É só não dar bola e eles param com esta bobeira.

  28. Clayton said

    Rubens Leme e todo o seu indisfarçável recalque… Que coisa, tsc, tsc, tsc…

    Clayton, por favor, pare com os ataques.

  29. Rubens Leme said

    recalque indisfarçável é coisa do seu time, ídolo e dirigente… e talvez seu tb, Clayton… aliás, por aqueles lados nao tem disfarce, é nítido.

    Rubens, por favor, pare com os ataques

  30. Denilson Martins said

    Mas eu sempre deixei bem claro, que deploro os meios do MAC, tenho nojo da forma como ele se comporta, como um palhaço no picadeiro.

    Acho que a reivindicação é legítima, mas os meios de reivindicação ( imprensa ), inadequados.

  31. Filemon said

    Marcelo, é besteira eu relatar aqui que os 12 clubes grandes organizaram o campeonato porque a CBF não o faria. Também é desnecessário dizer que a CBF quis participar e mudar as regras com o campeonato em andamento. E não tem cabimento algum eu dizer que Flamengo, Corinthians, São Paulo, Palmeiras e cia são disputaram o único campeonato da primeira divisão em 1987. Mas se você acha que Otavio Pinto Guimarães e Nabi Abi Chedid estavam certos e o glorioso Sport é o legitimo campeão com aquela final histórica (acho que você não chega ao cúmulo de defender o cruzamento de módulos, né?) eu só lamento. Aliás, diria que chega ser uma decepção.

    Filemon, não mude minhas palavras. Vou assumir que entendeu mal. Logo vou repetir. Não estou dizendo que o Flamengo não é legítimo campeão de 1987. Estou dizendo que é Flamengo não é o campeão oficial. Em 1987, há dois campeões legítimos, o Sport e o Flamengo. Não contesto o penta do Flamengo. Só que não é um penta oficial. Certa ou errada, só a CBF pode decidir a quem pertence a taça de bolinhas.
    O Flamengo é penta legítimo. Só não é penta oficial. É a mesma coisa do Mundial interclubes, o Flamengo é campeão mundial legítimo, mas não é oficial. Por que você quer tanto um carimbo de uma entidade que todos criticamos?
    Por favor, me responda às minhas perguntas. Se o Flamengo achava que a taça de bolinhas lhe pertencia, por que levou 15 anos para reivindicá-la? Repito: isso foi uma palhaçada da diretoria que só serviu para humilhar o Flamengo.

  32. Alex B Palmeirense said

    Esse é o outro spfc? Esse é o verdadeiro, o real tricolor do Jardim Leonor, sempre se achando acima de tudo e todos…
    Marcelo, permita-me discordar: o Palmeiras não menosprezou a Taça Rio ” por anos”. Há muito tempo o clube afirma ser campeão mundial, tenho 34 anos, tios palmeirenses com sessenta ou mais que afirmam isso há décadas… Ouço isso desde que falei com outros palmeirenses pela primeira vez. Ocorre que durante a gestão do nefasto ( não escrevo aquele nome, e você sabem quem é), o clube parou no tempo e não tratou de certas (muitas) coisas para se manter entre os grandes do futebol brasileiro, como pedir o reconhecimento da FIFA para esse título. Se é Mundial ou não a Taça Rio, não cabe aqui discutir. Abraço

    Alex, eu tenho 13 anos a mais do que você. Nos anos 70, 20 anos depois da taça, esse assunto não existia. Nos anos 80, idem. So surgiu depois que o São Paulo foi campeão mundial. Poderia ter uma pessoa ou outra que pensasse diferente, mas procure nos jornais e não verá nada sobre esse assunto até uns 15 anos atrás ou ainda menos.
    E não culpe o Mustafá por isso. Ele entre e, 1992, 41 anos depois da Taça Rio. O Mustafá tem culpa por muita coisa, mas não por isso.
    Vou ser bem franco. Para mim esse negócio de ficar recuperando título (ou taça do passado) é coisa de diretoria que quer fazer média com a torcida. Em 1987, mesmo em 1992, o Flamengo ganhou a Copa União e ninguém no clube dava a mínima para a taça de bolinhas. Mas quando se está numa seca, ficam inventando esses caôs para tirar a atenção dos torcedores. O Plamieras é a mesma coisa. Se vivesse na época da segunda academia, com o Ademir da Guia jogando de olhos fechados e fazendo o tiem jogar como uma orquestra, jamais iria pensar na Taça Rio. Volte mais perto. Quem disse em 1999, em Manchester, “o Palmeiras luta pelo bi”?
    Palmeiras e Flamengo são clubes fantásticos que merecem títulos, não upgrades em conquistas passadas.

  33. Filemon said

    Marcelo, da mesma forma que não é pra ficar ofendido por ser chamado de ‘corinthiano’, acho que você pisou na bola aí com com o exemplo ‘leprosos’ – termo antigo, em desuso e impróprio para falar de pessoas que tem hanseníase, doença bastante comum.

    É verdade, Filemon, eu pisei na bola mesmo. E olha que tive um tio-avô, com essa doença, na época em que, por ignorância, se internavam essas pessoas. Peço desculpas às pessoas que são portadoras da doença, felizmente com número de casos em franco declínio.

  34. Muito interessante esse post, mas pelos comentários, realmente, como diria, pedagógicos.

    Acho melhor a chiadeira em público da direção do São Paulo do que manobras ocultas nos bastidores. Confesso que não gosto dessas reclamações acintosas, mas, não sei, fosse eu dirigente e estivesse envolvido diretamente no dia-a-dia do clube e do time e também reclamaria. Enfim, não creio que isso seja o fim do mundo e tampouco da elegância.
    :o)

    Quanto a árbitros estrangeiros: nos anos 70 a FPF trouxe árbitros da Inglaterra e da Bélgica (se a memória não me trai). Foi interessante, hoje geraria uma mídia brutal e coisa e tal. Mas, eles foram embora e tudo voltou a ser como dantes no quartel de Abrantes.
    É bom lembrarmos, também, que o Castrilli era estrangeiro, embora hermano. Aliás, gostaria de rever as marcações do Castrilli novamente, com a cabeça e a visão do assunto que tenho hoje.
    Trazer árbitros estrangeiros não resolverá, exceto em casos pontuais. É mais importante uniformizar as arbitragens, preparar melhor os árbitros e bandeiras, dar-lhes segurança para apitarem sem o medo de pressões. Não me refiro a pressão de um clube ou outro, mas à pressão das “trocentas” câmeras de tv presentes em cada jogo. Fico com a impressão que eles apitam mais do que devem para não serem cobrados por tapes e tapas, ops, tapas não. Muitos invejam as arbitragens européias, mas parece-me que os árbitros d’além-mar não são submetidos ao julgamento diário de comentaristas de arbitragem.
    Por outro lado, na Europa as marcações são aceitas com mais civilidade que aqui, por jogadores, dirigentes e, sobretudo, torcedores e mídia.

    Emerson, existe uma diferença grande entre manobra nos bastidores e fazer uma reclamação formal pela via correta. A comissão de arbitragem deve possuir uma maneira de acolher protestos. Como eu disse, os clubes devem agir para proteger o sistema, não para fragilizá-lo. Deve-se partir da premissa que os erros são involuntários (se houver suspeitas fundamentadas, que se apurem) e que os árbitros são capazes. Se um árbitro é um incapaz deve ser vetado para todos os jogos, não só de um time. E a reclamação não deve ser feita em público porque isso fragiliza a credibilidade da arbitragem como um todo. Só há sentido em fazer um protesto público com a convicção de que o administrador do sistema é podre ou incompetente. Nesse caso, o time deveria se retirar do campeonato ou promover uma revolução. Pois, se o administrador é podre ou incompetente, é preciso mudá-lo, como se fez com o Armando Marques pelo segundo motivo. A atitude do São Paulo é de quem não quer melhorar a arbitragem, apenas tirar vantagem das suas falhas.

  35. Já essa história do título de 87 é velha, repetitiva e chata.
    Oficialmente, o Sport é o campeão de 1987. Não custa recordar que essa coisa chegou à justiça – à justiça, pasmem! – que referendou o óbvio: oficialmente, o Sport é o campeão.
    A taça é da oficial CBF e foi prometida ao oficial cinco vezes campeão. Calhou de ser o São Paulo. Pelo visto, tivesse sido o Vasco e teríamos uma guerra civil na história da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro.

    Coisa mais simples que essa é impossível.
    Negá-la é desconhecer a realidade.

  36. Rica said

    Revendo o gol de Adriano chego a conclusão que foi um lance interpretativo. Agora foi evidente a falta cometida por Chicão no Dagoberto. O maior problema do Salvio Spinola foi a sua falta de comando, os jogadores vendo isso começaram a baixar o cacete.
    No outro lado do atlântico é muito diferente, lembro de um jogo entre Arsenal v.s Chelsea, o arbitro inventou um penalti para o Chelsea que foi convertido. O jogo foi no sábado e na segunda o juizão já tinha recebido sua punição.

  37. Bem, que o STJD ou a Federação julgue o mérito do pedido. O SPFC fez a parte dele. Deixar passar tudo como corderinho é que não dá, pois ai sim vira repressão e controle indiscutível das autoridades.

    Se punirem a vítima condiz bem a justiça brasileira de modo geral hehe.

    *no meu primeiro post faltou a complementação “dentro dos limites da lei”, como fiz no segundo. Faltaria eu ver se na lei desportiva tem algo que trate a respeito de censura (como no caso absurdo com o Muricy ano passado) em que se proíba atitudes assim.

    O CBJD, Michael, tem artigos explícito punindo quem trata as autoridades e entidades esportivas de forma desrespeitosa. Foi com base nesse artigo que o Muricy foi julgado e absolvido. Acho esses artigos justíssimos. Como aqui no blog, deve-se tolerar e até incentivar críticas sobre fatos, mas não se pode admitir questionamento sobre a índole das pessoas e ataques pessoais. Criando um exemplo, pode-se discordar de uma decisão do STJD, mas não dizer que o STJD é uma palhaçada, por exemplo.

  38. Filemon said

    Emerson, nossos conceitos de realidade são diferentes. Mais imagino que você, apegado que é às decisões de justiça e oficialismo não considere o São Paulo tricampeão mundial, já que a Fifa não oficializa os títulos de 92 e 93.

    Mas realmente você tem razão em um ponto: assunto velho, chato e batido. Só voltará à tona quando a CBF tiver coragem de entregar a tal taça ao SP, já que ainda não teve.

  39. marcello said

    sou São-Paulino, mas sou contra essa choradeira toda. afinal, de contas o juiz que errou contra ontem pode errar a favor amanhã. com certeza, é só para mascarar a decepcionante atuação do time.

    Caro Marcello, eu tenho a impressão de que já escreveu antes. Mas a ferramenta do meu blog me diz que é a primeira vez. Logo, seja bem-vindo ao blog. Espero que escreva mais vezes e com a lucidez que mostra agora. Chorar para jornalista, jogar a culpa nos outros, não é a postura correta. E o São Paulo de fato não jogou bem. O Corinthians teve mais chances. O Finazzi deveria ser condenado a 80 horas extras de treino de cabeceio por errar aquele gol. O Rogério não é de dar uma moleza como aquela.

  40. Alex B Palmeirense said

    Em uma coisa concordo: ficar resgatando taças não pega bem, soa mesmo como coisa de clube que se apequenou.
    Eu não concordo com o pedido para reconhecer a Taça Rio porque pode virar zona depois, muitos clubes pedirem reconhecimento de taças menores…
    Agora, Marcelo, eu vi uma reprodução da Gazeta Esportiva do dia seguinte ao 2X2 com a Juventus, em que está escrito: ” Palmeiras Campeão do Mundo”, a imprensa da época bradou isso país afora e você sabe disso; os palmeirenses da época ( e seus filhos, sobrinhos, como é meu caso) julgavam o Palmeiras Campeão do Mundo e ponto, que se explodisse a opinião de outras torcidas. O problema é que quando a polêmica retornou, nos anos 90, o clube não procurou estabelecer com dona FIFA uma posição oficial, como ocorreu na gestão do nefasto, a história do clube não foi resgatada ou preservada (um grupo de palmeirenses abnegados tentou, há anos, montar um minicentro de consulta e preservação do clube, ao lado da sala de troféus e o nefasto não quis nem saber, procurou atrapalhá-los, só na gestão Della Monica tiveram apoio…) É isso.

    Vai levar ao pé da letra manchete da imprensa, Alex? Até parece que o jornalista não sou eu, hehehe.

  41. Marcelo,
    então o SPFC ta lascado, pq em suas duas paginas ele usa termos como “tendenciosa”, “parcial”, “flagrantemente contrária”, “predisposição em outras oportunidades”.
    Ai só não sei onde está a fronteira entre a opinião e o desrespeito. Começo a concordar que passou do limite (apos ler a representação). Ao usar essas palavras parece choro. Dava para ter sido diferente…

    Comentaram num outro jornal ae que o Salvio já foi afastado, dizem eles que nao por pressao do SPFC, mas para evitar “desgaste”.

    Para você ver, Michael. Depois desse show dos cartolas tricolores, como convencer alguém de que o afastamento foi feito a bem da prudência e não porque a FPF se dobrou ao São Paulo? A única maneira era fazendo isso e punindo os diretores do São Paulo que assinaram essa representação totalmente fora dos limites – baseio-me nas suas aspas. Sabe o que acontecerá com o São Paulo? Provavelmente, nada. Nem haverá processo. Essas são as instituições do futebol.

  42. Filemon said

    Marcelo, entendi mal mesmo, desculpe (mas é chatíssimo esse negócio de contestarem o titulo do Flamengo). Eu não ligo realmente para CBF, justamente pela péssima conduta histórica dos seus dirigentes. Os dirigentes do Flamengo, já critiquei aqui no seu blog algumas vezes, não reivindicaram por incompetência, porque boa parte deles são do mesmo nível dos que estão na CBF. Márcio Braga (na época do penta e agora), Luiz Augusto Veloso, kleber Leite, Edmundo Santos Silva e Hélio Ferraz (bem intencionado, apesar de não entender de futebol). Com esse time fica explicado, né?

    Você se lembra que o último a erguer a tal taça das bolinhas foi o inesquecível Júnior, em 1992? A própria CBF a tirou de circulação.

    E, finalmente, iremos discordar em um ponto. Pra mim a diretoria do São Paulo foi tão oportunista quando a do Flamengo nesse episódio.

    Não sei, não, Filemon. O São Paulo tem o direito a essa taça (aliás, para que uma outra taça, se todo ano se ganha uma?). No começo, o São Paulo tratou bem o assunto. Falava só uma ou outra pessoa e sempre com coerência e comedimento. Aí a imprensa começou a fazer o assunto render e os dirigentes entraram na polêmica. Foi mais trapalhada que oportunismo. E, claro, tem sempre os espíritos de porco que adoram ficar tirando casquinha da ferida dos outros. Agora, a camisa Penta Único não deveria nunca ter sido feita. A não ser que fosse “penta único para a CBF”. Mas quem vestiria isso?
    De todo modo, se a diretoria do Flamengo não criado essa onda (não teria sido muito mais inteligente dizer “o Flamengo é penta independentemente de qualquer taça”?) toda essa besteira não aconteceria. Só serviu para criar ressentimentos. Dava vontade de pegar essas varetas com as bolinhas e espetar em certas pessoas, hehe.

  43. Denilson Martins said

    Acho que a questão é, no caso do SPFC, mesmo que não seja verdade, vamos condenar a priori não é mesmo? Afinal eu ouvi um nefato apresentador dizendo que eles são sujos.
    Mesmo que o problema de 1987 seja apenas entre CBF, Fla e Sport, o colega aí quer porque quer, que o culpado disto seja o SPFC.
    Quer dizer, depois a gente é chorão, pode isso?
    Eu já tinha 17 anos em 1987, e garanto, o Fla foi campeão daquilo, mas a CBF que tinha o poder pra oficializar, preferiu o Sport, o que é um tremendo erro da CBF, mas na ilusão, na inversão de valores absurdo do amigo aí, o Fla não é campeão por causa do SPFC.
    Isso não é chorar, eu diria que se desidratar pelos olhos. hehehehehehe.
    Quando ao amigo Alexandre B, devo lembrá-lo, que meu avô também falava que o Dutra, que queria entregar o Brasil aos americanos, era um grande presidente, e meu pai, acredita até hoje que Emílio Garrastazu Médice foi o melhor presidente do Brasil.
    Ou seja, pessoas velhas também erram.
    A verdade é que enquanto o SPFC era apenas a quarta força do Estado, os palmeirenses nem lembrava que a gente existia, éramos pra eles, apenas uma agremiação menor, da qual eram contumazes freguêses, mas ainda assim, nos seus sonhos de superioridade racial, por se considerarem europeu num país de subdesenvolvidos, seu clube feito grande pelo poder da granda dos Matarazzo, não deveria se preocupar com um clubinho xinfrim de brasileiros.
    Depois que o SPFC terminou seu estádio, um epopéia de mais de 16 anos, voltou a ser um time de conquistas e títulos em profusão, coincidentemente, o palmeiras entrou em jejuns incômodos, e em decorrência disso, a nossa torcida e nossa importância cresceu, enquanto a deles, diminuiu.
    Mas que audácia, um time de brasiliani vencer, superar o poderoso e superior palestra dos europeus superiores, mas que desfeita, que audácia.
    Mas é fato, em 30 o palmeiras não ganhou nada sozinho, ganhou 3 paulistas, 2 brasileiros e 1 libertadores com a ajuda de uma empresa que é condenada na pátria superiora, por crime fiscal, e que faliu. Meu Tricolor, venceu 11 paulistas, 5 Brasileiros, 3 libertadores e 3 mundiais.
    Pasmem, depois disso, subtamente deixamos de ser simpáticos, e viramos viados, sujos, nefastos, chorões, etç.
    E pior, boa parcela da imprensa, por torcer pro time superior da colônia superiora, passou a repercutir as infâmias desairosas da dor de cotovelo, como se fossem verdades.
    Quer dizer, em nome da inveja, ódio, recalque, sei lá, qual é o nome deste ranço, se passa por cima de uma história linda, de um clube que teve jogadores convocados, em todas a copas do mundo, que deveria ser um orgulho pra este país, pelo exemplo de perseverança, e boa gestão de seu patrimônio, pelas glórias que conquistou em campo, que elevaram o nome de nosso país, que teve Friendenreich, Leônidas, Zizinho, Gérson, Pedro Rocha, pra ficar nos mais antigos, envergando suas cores.
    Afinal Marcelo, por que não se quer que o SPFC exista, o que este clube fez de tão grave, pra ser combatido dioturnamente por setores da imprensa, que o tratam como o demônio matreiro do futebol?
    E afinal, porque os amigos palmeirenses, passam por cima da verdade dos fatos pra defender seu tão “odiado” rival?
    Pra quem escuta esta ladaínha de rivalidade, soa patética estas afirmações são simpáticas ao eternamente “odiado” rival, e pior mentindo-se em seu favor.
    No mínimo estranho.
    Eu gostaria muito de entender o que leva a tal comportamento, o que o SPFC fez, ou faz de tão grave pra merecer tal tramento de parte da imprensa que fomenta tudo isso?
    PS: Hoje no programa que sempre cito, comandado por um conselheiro palmeirense, portanto superior, todos na bancada, tentaram desqualificar as reivindicações do SPFC, inclusive o técnico Muricy, foi insultado no programa. Eu pergunto, é combinado? É de propósito?
    Afinal na reunião de pauta o diretor vem e fala “dane-se a verdade dos fatos, vamos falar isso, pra agradar o time de maior torcida e ponto final”. É assim que funciona?
    Estranho, no meio de 4 debatedores, todos remando e jogando pedra na Maria Madalena, como se só ela fosse pecadora.

  44. Filemon, em 87 tivemos duas disputas, uma oficial, outra não oficial.
    Uma foi oficial porque patrocinada pela entidade que, oficialmente, reconhecida por ceca e meca, responde pelo futebol brasileiro.
    A outra foi não oficial porque efetuou-se sem o beneplácito, sem a chancela, sem a aprovação da entidade oficial.

    Ora, essa entidade criou a bendita taça para premiar o “seu” pentacampeão. Além disso, nada mais oficial que a justiça, concorda? E esta, chamada a intervir no imbroglio, oficialmente considerou o Sport como o campeão de direito e de fato, o campeão oficial.

    A disputa da Copa Intercontinental dava-se em caráter exclusivo, não havia outra competição, oficial, oficiosa ou marginal, com o mesmo objetivo. Portanto, é perfeitamente possível seguir os usos e costumes nesse caso e considerar os campeões da Intercontinental como Campeões Mundiais.

    Aí surge o imbroglio do ano 2000…

    Por uma questão de coerência, considero o Boca como o Campeão Mundial.
    Já a FIFA considera o Corinthians. É direito dela, para não dizer dever. Se ela um dia quiser entregar uma taça ao primeiro campeão mundial, o beneficiado será o time do Parque São Jorge e não o São Paulo. É algo que terá que ser aceito, pois seria uma premiação oficial para o campeão oficial, assim considerado pela FIFA.

    Ufa…

  45. Filemon said

    Caramba, mas com 37 anos e muitos altos e baixos no futebol ainda tem esse discurso de achar que o clube é perseguido pela imprensa? Nem, vira o disco…

    Por um lado se sente perseguido (o discurso coitadinho) e por outro despeja arrogância ao arrotar conquistas e desprezar os outros. Vai entender…

    ‘Exemplo de perseverança’? Se brincar, vai até pro céu. Fora isso, essa lista de craques aí está meio curtinha, né? Acrescenta aí: Cafu, Raí, Palhinha, Denilson…

    Fliemon, por favor, pare com esse ataque.

  46. Filemon said

    Emerson,
    então ficamos assim: com essa de ‘usos e costumes’ (você só pode ser advogado) nós oficializamos os mundiais que a Fifa não reconhece e alijamos o que a CBF não reconhece. Assim, a Copa União de 87 não vale, a de 88 vale e a João Havelange, de 2000, vale também. Beleza, então. Valeu mesmo pela interpretação.
    Ufa, ufa!!!

  47. Hahahahahaha…

    Advogado, Filemon?
    Longe disso, apenas um mero produtor de vídeos e de leite, pequeno em ambas.

    Lamento que você distorça minhas colocações, mas é assim que são as coisas.

  48. Denilson Martins said

    Apenas comparei, arrogante é quem acha que os outros é que são menores, no caso apresentei os fatos.

    Você tentou me desqualificar, mas contra argumentar que é bom, nada, absolutamente nada.

    Típico de quem não sabe lhufas do que tá falando.

    Sem mais.

    Denilson, por favor, pare com esse ataque.

  49. Denilson Martins said

    Sobre o céu, vai mesmo, é o clube da fé, não adianta, estamos aí, vão ter que aceitar, pra seu azar.

  50. Denilson Martins said

    Só responda o que o SPFC tem a ver com o campeonato de 1987?

    Quem é que decide isso?

  51. Filemon said

    Se você acha que eu não sei nada do que estou falando, não tem o que responder ou debater, Denilson. Mas eu fiz um ou outro comentário mais ameno daquilo que era aproveitável, porque nem dá pra levar a sério seu post carregado de preconceito contra a colônia italiana.

    Filemon, vamos encerrar esse debate, ok?

  52. davidoff said

    Pior do que erros de arbitragem é um clube se arvorar no direito de dizer quem apita ou não apita seus jogos e o pleito ser prontamente aceito. Se todo o clube fizer isso, em menos de um mês nenhum árbitro estará apto a arbitrar partida alguma. Além disso, há outro grave problema em acatar esse tipo de pedido: se a comissão de arbitragem reconhece que determinado juiz não tem condições de arbitrar partidas do time X é porque este juiz não tem condições de arbitrar partidas de time algum (e, nesse caso, deveria ser banido do quadro de profissionais), ou porque a comissão concorda que este juiz entra em campo predisposto a prejudicar o time X quando é escalado para atuar em seus jogos (em Português claro: concorda que o juiz é um safado, hipótese na qual também deveria afastá-lo de seu quadro de árbitros).

    Exceto para poupar um campeonato de um tumulto desnecessáriio, concordo 100% com você, Davidoff

  53. Marcello said

    oi. xará. de fato, já escrevi neste blog antes, sim. faz umas semanas, quando ele estava noutro servidor. sempre entro, acompanho e gosto muito. com muito custo é que tenho manter a lucidez e deixar de lado a pressão do meu lado torcedor. mas, pegando uma pequena carona no debate (ou seria embate?) acima, que certos setores da mídia, os mais chegado à polêmica fácil e rasteira, têm má vontade com o SPFC é inegável (se bem que comparável com a boa vontade de outros). vide o caso Richarlyson e a pecha de gay que, sacanamente, lhe aplicaram (com resultados visíveis e audíveis nos estádios): já notou que o jogador que mais está em fotos que se referem ao SPFC é ele? não seria uma forma de fazer média com as torcidas rivais e com alguns jornalistas/garotos-propaganda?

    Sobre as fotos, Marcello, não fiz nenhum levantamento, mas acho que não concordo. Os jogadores que mais saíram nas fotos do São Paulo no Lance e na Folha neste ano são o Adriano e depois o Rogério. Também não acho que exista má vontade, exceto de algum comentarista específico. O que existe é um certo hábito de bater em quem já está apanhando. Tente ver o noticiário com mais tranquilidade e verá que não há diferença grande de tratamento. Essa pecha de gay é como a de porco e de gambá. Merda de torcedores. É claro que é mais fácil assimilar o urubu, o porco e até o gambá.
    Mas não se esqueça que um dos apelidos dos torcedores do Boca é bosteros (o bairro é um dos mais baixos da cidade e por muito tempo, quando chovia muito as ruas se enchiam de merda, por causa de ligações clandestinas entre a rede de esgotos e a de águas pluviais) e boa parte da torcida se orgulha disso. Mas o preconceito contra gays no Brasil ainda é o mais forte, especialmente no meio esportivo.

  54. davidoff said

    Ouvi na JP AM voltando do almoço o Coronel Marinho dizendo que não cedeu a pressão alguma, que o Sálvio continuará fazendo parte dos sorteios normalmente e que pode arbitrar um jogo do São Paulo como outro árbitro qualquer, desmentindo tudo o que foi publicado em diversos jornais e sites. Dá para acreditar?

    Isso é o que acontece, Davidoff, quando não se tem uma política clara e marcada por princípios. Na hora da crise, os líderes não tem a credibilidade necessária. O Marinho pode até estar falando o que houve. Mas que adianta, se ninguém acredita? Credibilidade é algo que se constrói de grão em grão e que de destrói de uma tacada só.

  55. Fernando Portela said

    Caro Marcelo,
    Você me parece uma pessoa equilibrada, por isso lhe escrevo. A propósito dos lamentáveis acontecimentos do último domingo, quando o espetáculo foi destruído pelo juiz, gostaria de lhe perguntar, como alguém diferenciado do setor:
    1 – Os comentaristas de futebol gostam de dizer: “É claro que o juiz é honesto; senão, o que estaríamos nós fazendo aqui”?
    E o que estaríamos nós, amantes do futebol, fazendo no estádio ou em frente à TV, quando um árbitro absolutamente despreparado para a profissão, anula pênalti e gol (na minha opinião mais do que legítimos) de um mesmo time?
    Se ele não é desonesto é incompetente.
    E o que fazer? Cobrar da FPF um melhor preparo para os juízes? É verdade que vão indicar esse árbitro para atuar no próximo mundial?
    Não gosto de assistir a jogos definidos por quem deveria garantir o equilíbrio e a lisura do próprio. Não é justo para o consumidor.
    Qual a saída? Ou não tem?
    Abraços Fernando


    Caro Fernando
    , seja bem-vindo ao blog. O problema da arbitragem não se circunscreve ao Brasil, alcança muitos outros países. Para reduzi-lo deveria-se adotar várias medidas coordenadas. Um deles obviamente seria a adoção de recursos eletrônicos, para facilitar a visão do lance – na hora ou em momento imediatamente posterior – pelos árbitros. Também sou a favor de mais árbitros trabalhando, dentro e fora do campo. Quanto melhores os olhos, menores os erros.
    Outro seguramente é fortalecer a instituição da arbitragem, por dois caminhos:
    1) Estabelecer estatutariamente a autonomia da comissão de arbitragem. O seu presidente e membros devem ter mandatos, que poderão ou não ser renovados. A comissão deverá prestar contas unicamente a uma comissão dentro da federação. Mas essa federação não pode ter poder de interferência. A hierarquia tem que ser clara. Ninguém consegue trabalhar com 20 chefes.
    2) Não se pode tolerar qualquer ataque à competência ou à idoneidade dos árbitros ou da comissão, partindo de membros da comunidade esportiva (jogadores, técnicos, dirigentes).
    Deve haver punições severas contra quem especular sobre a honestidade do árbitro. Você já viu alguém, após uma decisão da Justiça, dizer em público que “o juiz estava obviamente mal-intencionado”, por mais que pense isso? Não, porque, se fizer, se ferra. Ou o cara prova que o juiz é corrupto, ou cala a boca. Pode dizer que discorda da decisão, mas não afrontá-la. Com a arbitragem tem que ser o mesmo.
    Também devem ser punidos críticas públicas à arbitragem de forma exaltada. Uma coisa é dizer que não concorda com tal lance, outra é dizer que a arbitragem decidiu o jogo.
    Todo mundo tem o direito de protestar, mas deve fazê-lo pelos canais adequados.
    Se o seu IPTU veio mais alto do que calculava, mesmo muito mais alto, você não irá à TV dizer que o prefeito é um ladrão ou um incompetente. Você vai fazer um recurso.
    Eu acho que a comissão de arbitragem deveria ter como política inflexível rejeitar qualquer apelo que tenha sido feito primeiro em altos brados em público. Uma coisa é dizer “estamos inconformados com essa arbitragem, vamos enviar o protesto”, outra é esse monte de impropérios que acontecem a cada arbitragem polêmica.
    Mas uma coisa que não se pode tolerar é alguém ou algum clube tentar usar seu peso político em vantagem própria, como fez o São Paulo e fazem outros clubes grandes. Mas contra isso só há um remédio: firmeza da federação e da comissão
    Também não adianta nada desmoralizar os árbitros. Esses são os melhores que temos. Talvez haja alguns que pudessem ser trocados, mas não muitos.
    E por que não se faz isso? Porque a principal razão de a arbitragem não melhorar é a falta de interesse dos clubes nisso. Os clubes só estão preocupados em evitar erros contra si próprios, não com os erros em geral (muito menos os a favor).
    Nunca se vê uma pessoa de qualquer nível de um clube dizendo “o outro lado é que tem razão, não foi impedimento” (ou qualquer outra coisa). Qualquer erro que não seja contra o si próprios não os interessa.
    Por fim, se o homem foi à Lua, decifrou o DNA, encontrou a cura para uma quantidade imensa de doenças e tratamentos para quase todas as outras, fez um túnel sob o Canal da Mancha e esticou milhões de quilômetros de cabos pelos oceanos para permitir as comunicações mundiais, a arbitragem não pode ser esse problemão todo. Se o problema persiste é por uma razão política, não técnica. Não digo que a solução seja fácil, muito menos que possa haver uma arbitragem perfeita. Mas pode-se melhorá-la bastante e melhorar mais ainda a percepção da arbitragem. Se cada torcedor fosse tão rigoroso consigo mesmo quanto é com os árbitros, certamente teríamos muitos suicídios. Essa frase não é um argumento a favor da tolerância com os erros, mas da paciência com os árbitros. Se esses são os melhores, temos que fazê-los melhorar. UFA!

  56. Fernando Portela said

    Olha, Marcelo, o que você escreveu foi a coisa mais séria que já li sobre esse assunto. Passo por cima da minha própria frustração e acolho suas ponderações. Acho engraçado que não vi nada disso em nenhum jornal ou programa de tevê. É tudo muito superficial. É ladrão ou não é, merece ser expulso da arbitragem ou não, tem ou não tem razão. Tudo maniqueísta, fácil de dizer, fácil de ouvir. Pensar, pouca gente pensa. Acho que você poderia juntar todas essas peças e iniciar um trabalho político (no bom sentido) para ajudar profundamente a arbitragem nacional.
    Sabe, eu gosto de futebol. Sou rigoroso comigo mesmo e não tolero que meu time ganhe jogo por causa de erro de juiz. Quando isso acontece digo: “pra mim não valeu”. Mas também sei que essas coisas acabam com uma partida, um prazer, seja de que lado você esteja. Entendo perfeitamente a chiadeira do São Paulo, e nisso sou menos rigoroso do que você, pois fazia tempo que não via um time tão prejudicado por erros de arbitragem em um jogo só. Mas não consigo compreender que não haja um esforço sincero (grande imprensa incluída) na busca da solução. Você deu um caminho muito sério, talvez um tanto romântico na hora de imaginar a comissão de arbitragem autônoma (se nem o nosso Banco Central consegue ser), mas é este o ponto de partida. Espero que seja seguido pelas pessoas de bom senso, de dentro e de fora dos clubes.
    Foi um prazer participar diretamente do seu blog. Como leitor, já o faço há tempos.
    Abraços e parabéns!
    Fernando

  57. O Portela colocou muito bem, Marcelo, esse teu comentário é excelente.
    Na verdade, estou repensando minha condescendência com a direção do São Paulo sobre esse assunto.

    Mas que é complicado, é.

    Obrigado pela gentileza, Fernando. Acho que quem se importa com alguma coisa deve ajudar na busca de soluções. Um jornalista, pela sua posição, não se deve meter a resolver nada. Mas pode contribuir fazendo as idéias fluírem. E as idéias normalmente estão à disposição, não é preciso criar muita coisa. Basta ter bons pilares e ir construindo em cima deles.
    No futebol é preciso apenas fazer o mesmo que se faz em qualquer outra área da vida: identificar problemas, delimitá-los, buscar soluções, testá-las e quando der certo, adotar o caminho. E impedir que alguém se aproveite do sistema para seus propósitos pessoais além do limite ético.
    Quanto mais pessoas descobrirem que defender o clube sem limites é ruim para o futebol e portanto para o próprio clube, mas rapidamente se buscará soluções coletivas. E estou convencido que é preciso fortalecer as instituições. O STJD é um tremendo exemplo. Ainda é ruim, mas depois que saiu das mãos da família Zveiter cresceu muito. E com o Zveiter já tinha crescido, quando ele tirou o STJD das mãos dos cartolas da CBF.
    Eu sou dos que acreditam que as coisas estão melhorando. Mas poderia ser menos devagar!!

  58. Clayton said

    Denílson Martins, podemos tranqüilamente acrescentar a sua lista de nomes consagrados (Fried, Leônidas, Zizinho, Gérson e Pedro Rocha) que tiveram a honra de vestir a camisa das 3 cores sacro-santas: Sastre, Renganeschi, Teixeirinha, Rui, Bauer (capitão da seleção em 54 e “Monstro do Maracanã” em 50), Noronha, Canhoteiro, Poy, Sérgio Valentim, Dino Sani, Mauro Ramos de Oliveira (capitão da seleção em 62), Roberto Dias, Bellini (capitão da seleção em 58),Toninho Guerreiro, e mais recentemente, Valdir Perez, Oscar, Dario Pereyra, Marinho Chagas, Serginho, Zé Sérgio, Careca, Pita, Silas, Muller, Toninho Cerezo, Leonardo, Raí, Kaká, além é claro de Rogério Ceni. Certamente faltou muita gente boa, mas o que veio à cabeça foram esses “poucos”, hehehe… Além dos gigantes fora das 4 linhas: Éder Jofre e Ademar Ferreira da Silva. Sem dúvida, é uma história construída e recheada com grandes jogadores e “monstros” sagrados, privilégio de poucos clubes no mundo.
    ***
    Sobre o tema proposto, sou obrigado a concordar com a opinião do nobre blogueiro. Este tipo de “benefício” não pode ser reservado a uma entidade, em detrimento da coletividade. Feita a devida avaliação, que se afaste o mau árbitro, e que o mesmo seja passado por uma reciclagem. Mas enquanto o critério for político, e não técnico, este tipo de excrescência continuará em voga por algum tempo.

    Ô, Clayton, “forçado a concordar” comigo, pô? É tão penoso ter a mesma opinião que eu? hehehehe.
    E sobre a sua lista de grandes são-paulinos, acho que exagerou no Sérgio Valentim. Um goleiro que não conseguiu ir para uma Copa em que o titular era o Félix e, o reserva, o Ado (o Leão foi levado quase como aprendiz, já pensando em 74) não era muito bom, para dizer pouco. Mais importante foi o Chicão, a alma do São Paulo por muitos anos. Com o Chicão e o Serginho, ninguém era capaz de chamar os são-paulinos de bâmbis. Aliás, nem eram só eles. Aquele time era quase uma quadrilha. Na final do Brasileiro de 1977, tiraram na marra um título que estava quase nas mãos do Atlético.
    O Chicão só não podia com o Palhinha, do Corinthians, que sabia cavar faltas como ninguém daquela época – hoje nem daria para o cheiro…

  59. Hummmmmmmmmmm…

    Pô, Marcelo, o Sérgio foi um grande goleiro.
    Não ter sido convocado em 70 foi um acidente de percurso, quero acreditar. Acho que pesou o fato do goleiro do São Paulo ter sido o Picasso em 69 inteiro, outro excelente goleiro, por sinal. O Sérgio virou titular em 70, já durante o Paulista.
    Apesar disso, ainda sou mais Rogério, Zetti e Valdir Peres.

    Mas que goleiro tão bom é esse, Emerson, que na Copa de 1970 não tinha começado e na Copa de 1974 já tinha acabado?

  60. Denilson Martins said

    Clayton, não sei se leu o artigo do Sombra, se não, leia.

    Infelizmente, os sãopaulinos são tratados como estrangeiros em seu próprio país, são uma torcida, de um clube, que aos olhos da maior parte da imprensa, que é comprometida até o talo com o Palmeiras e o SCCP, nunca deveriam existir, por isso a homofobia, xenofobia, insultos e tudo mais contra nossa torcida e nosso clube. Uma pena.

    Veja meu caro, que até xingamentos de torcedores são tratados como verdades pela imprensa, quando o alvo somos nós.

    Nunca vi isso, parece Hitler perseguindo alguém.

    Denílson, agora você me deixou preocupado. Sem brincadeira, isso que você falou não tem o menor senso de realidade. Se tem mais gente que pensa o mesmo, é preciso fazeer algo urgente. Dizer que o São Paulo é perseguido como os judeus da Alemanha é demais. Por favor, diga que estava brincando…

  61. Denilson Martins said

    Não, não estou, evidente que não estou falando do Holocausto.

    Estou falando da manipulação dos meios de comunicação da forma que o ministro da propaganda de Hitler, Joseph Goebbels, fazia: ” repetir uma mentira mil vezes, se necessário fosse, até ela parecer verdade”.

    A maior parcela da mídia esportiva paulistana, tenta conter a todo custo a ascensão do Tricolor, com preconceito, como Goebbels fazia, numa atitude covarde e mesquinha.

    Querem retirar qualquer vestígio de orgulho que possa existir no fato de ser sãopaulino, então somos apresentados como viados e sujos, não satisfeitos, agora generalizam com esta conversa mole de chorões.

    Todos os times reclamam, com até mais veemência, como aliás fizeram os corintianos quando o mesmo Sálvio anulou injustamente o gol de Tevez contra o Palmeiras, lembra-se.

    O Domínio da mídia por palmeirenses e corinthianos, e a clara intenção destes em distorcer os fatos, remete a política de perseguição de minorias e ao totalitarismo que Goebbels implantou na Alemanha Nazista.

    São Paulinos são tratados pela mídia como estrangeiros sim, como se fossem uma sub raça, seres inferiores, que não amam o futebol, nem merecem sentir qualquer ponta de orgulho do time que resolveram apoiar.

    Acho que os chefes de redação ficam imaginando como faremos para insultar os sãopaulinos hoje. Nem a famosa edição do debate Collor X Lula, que a Globo fez, se assemelha ao que se faz com o SPFC.

    Eu se fosse os dirigentes do SPFC, ao ter o microfone numa emissora, cobrava no ar uma postura mais justa, mais isenta e menos xenófoba.

    Por isso critico tanto MAC, porque ele só vai nestes programas pra servir de escadas pra ridicularizações que fazem com o SPFC, como se este clube e sua torcida, não tivessem a menor importância na história e no presente do futebol brasileiro.

    PS: Viu a edição de imagens do conselheiro do palmeiras que é diretor do programa da BAND? Não vou citar o nome pra não configurar um ataque, mas até corinthiano fica com vergonha da parcialidade.

    Você continua insistindo nessa, Denílson, por mais que eu te diga que é furada.
    1) Você sabe o que um diretor de programa de TV manda, ? Quase nada. Acima dele mandam o apresentador, o diretor do departamento, o diretor de jornalismo, o diretor do artístico e vários outros.
    2) Quando o Sálvio anulou o gol do Tevez, a maioria da mídia disse que foi acertado.
    3) A mídia não é dominada por corintianos e palmeirenses. Aliás tem muito menos palmeirense do que são-paulino na imprensa esportiva.
    4) Comparar a mídia esportiva a Goebbels é absolutamente injusto e ofensivo. Você está ofendendo uma categoria inteira. No Lance, por exemplo, há três anos que nenhum jogador é tão louvado quando o Rogério Ceni. Até na fazenda dele, o Lance foi para mostrar como ele é nas férias.
    E chega. Não falo mais disso.

  62. Denilson Martins said

    Não me parece furada, sei que em redações a coisa é diferente.

    Mas sobre o Lance!, interessante as matérias sobre o RC em Mato Grosso,

    Mas também, interessante a capa sobre o Richarlyson, na primeira parte da semi final do paulista de 2007.

    O que teve mais impacto?

    Será que homofobia, usar a suposta homossexualidade como xingamento não deveria ter o mesmo tratamento de montagens com armas na mão?

    Esta postura, querendo atribuir um estereótipo, e assim denegrir nossa torcida, é a meu ver, um câncer.

    Como é que as pessoas podem reivindicar paz nos estádios, se compactuam com isto, ou seja xingamentos, e pior, ainda, fazer parecer que é tudo uma tremenda brincadeira.

    Não sou hipócrita, sei que torcedores se ofendem o tempo todo, mas pegaram uma ofensa, e resolveram massificar, e a mim, parece claro, que a intenção é destruir o orgulho, o direito de ser sãopaulino, apresentando o ser Tricolor, como um desvio, um coisa inferiorizante.

    Acha que as pessoas curtem assitir jogos com legendas pra torcida adversária? É ou não é discriminação?

    E os comentários? Fracamente, até a torcida que está sendo beneficiada, sabe que é mentira, que é uma falta de respeito.

    A beleza do futebol no Brasil, a meu ver, está justamente na diversidade de grandes clubes, mas ao que parece, a mídia só quer dois grandes, quer transformar o campeonato brasileiro, num campeonato gaúcho, pra você, que é corinthiano, é uma boa, saiba que sempre serão exaltados, jamais ofendidos e xingados. Mas pra nós sãopaulinos, tá difícil, tudo se resume a xingamentos e ofensas, o tempo todo, é como se a gente não tivesse vez, sabe como é, como se fôssemos imigrantes ilegais vivendo no país do futebol.

    O pior, é que tem tanta coisa errada no Tricolor, pra imprensa se apegar, o próprio MAC, fala tanta merda que daria muita pauta.

    Mas não, preferem nos tratar com lixo, como seres inferiores, como um sei lá, deficiente no meio de um grupo. Aquele que deve sofrer todos os insultos.

    Tá chato isso.

    Engraçado que começou justamente na época do Cartão Verde, lembra da época boa? Foi quando você surgiu, me lembro ainda do Kfouri mostrando suas denúncias sobre a manipulação de resultados no interior, me corrija se estiver errado, não me lembro bem.

    Me lembro que foi justamente no Cartão Verde, que a audiência começou a determinar a opinião. Você deve pensar, mas como?

    Simples, na final do paulista de 1998, no jogo decisivo, Juca Kfouri e Flávio Prado, mesmo sofrendo os protestos veemêntes do Trajano, optaram por não mencionar a conquista Tricolor, mas sim por condenar o fato de Raí ter vindo justamente no jogo final, e ter tirado um título do clube mais popular. Foi tão estranho e irreal, que no domingo seguinte, fizeram um programa todo dedicado a conquista Tricolor.

    Então, muita gente ficou atenta, ora, SCCP da mais audiência, então não podemos ter isenção, temos é que ter um direcionamento opiniativo, que agrade o torcedor do SCCP, assim inserimos merchans no calor das discussões, e ganhamos milhões.

    Bom, o Juca teve coragem de não participar disso, mas como vimos, pipocaram “debates” na TV, e nele, o surreal, o debate diário.

    Bom aí é mais embaixo o buraca, qualquer pessoa, sabia que não existiria pauta pra debate diário, precisava-se de personagens, precisava-se de vilões, heróis, etç, ou seja, um enrredo pra farsa.

    Então, aproveitaram uma idéia que vinha sendo usada no rádio com sucesso, o comportamento por parte dos “jornalistas” como torcedores nojentos, mas atente pra um detalhe, de todos os estereótipos, o SPFC não foi representado, sabe porque?

    Porque toda piada precisa de uma escada, do cara que será insultado por ela, e pro SPFC, foi reservada esta “honra”.

    Também todo enrredo ( jornalismo é fachada, aquilo é ficção ) precisa do vilão, um vilão que todos odeiam.

    Não sei se pelo fato do SPFC estar bem em baixa neste período, escolheram meu time pros papéis, assim, do dia pra noite, viramos homossexuais, sujos, chorões, manipuladores, e pasme ( esta é a mais surreal de todas ) “queridinhos da mídia”.

    Figuras que não vou citar, passaram a insultar o SPFC sistematicamente na mídia, só que o SPFC voltou de repente a vencer, então ficava meio exdrúxula aquela conversa de amarelão, devem ter pensado: vamos dizer que são arrogantes. Como se ninguém que fosse campeão do mundo não ficasse se sentindo o bom por um tempo. e Na esteira da condenação a priori que a arrogância bem merece do povo brasileiro, conseguiram justificar todos os outros insultos que desejavam, tipo enterro em caixão cor de rosa, sujeira de roubar atletas, estádio roubado, ajuda do governo, etc, quer dizer, não entendo como se permitiu neste país, um clube tão malvado, pérfido, como o SPFC.

    Enfim, eu lí, e entendo o texto do Sombra, só não concordo de querer protestar e pedir asilo na Espanha ou outra bobagem, mas a parte da discriminação, entendi muito bem, a mídia se recusa a aceitar a existência de um clube com as características do SPFC, neste país, quer mediocrizar geral, teme um domínio.

    Ora quem garante isso? Ninguém conseguiu dominar nosso futebol justamente pela diversidade de times importante, que já mencionei.

    Mas enfim, sem raciocinar ao certo, alguns fulanos da mídia, colher a graça de ter construído um vilão, uma massa de 15 milhões de pessoas, é constantemente insultada, e todo mundo acha normal, afinal, precisamos queimar nas fogueiras o estrangeiro ilegal, é ele que tira os nossos empregos ( no caso as glórias de nosso time ), então apedrejemos o vilão.

    Não sei se me fiz entender, não quero condenar ninguém, apenas quero expressar, o que sinto como sãopaulino, do tratamento a nós, enquanto grupo de torcedores tricolores, dispensado pela mídia, de uma maneira geral ( se nã age assim, não se sinta criticado ).

    Converse mais com sãopaulinos, tente sentir o que sentimos, afinal, porque nos sentimos estrangeiros em nosso próprio país né?

    Talvez, em vez de sermos condenados por este sentimento, poderíam tentar nos entender, enteder o que nos leva a nos sentirmos assim.

    Abraço.

  63. FICO ESPANTADO COM A FALTA DE PROFISSIONALISMO DOS DITOS COMENTARISTAS ESPORTIVOS DAS TVS DE SÃO PAULO, ENQUQANTO QUE A MAIORIA DA IMPRENSA PAULISTA AFIRMA QUE O SAO PAULO FOI GARFADO UNS “NETOS, OSMAR DE OLIVEIRA, GODOI DA VIDA”, USANDO A PAIXÃO AFIRMAM QUE O ÁRBITRO ESTEVE BEM. MEU DEUS, ESSES CARAS NÃO SABEM O QUE É PROFISSIONALISMO, ESSES CARAS NÃO SABEM O QUE É JORNALISMO IMPARCIAL, MARCELO FAZ O FAVOR DE ENSINA-LOS

    Caro Havelange, acho que em primeiro lugar se deve respeitar a opinião dos outros. Isso não pode ser considerado uma ofensa. Em segundo, a questão foi polêmica. No Lance deu 56% a 44% pela legalidade do gol. diferença não é muito grande. Aqui no blog houve uma boa divisão também, mas não tanta. Eu sou corintiano e acho que o lance foi legal – empurrão houve, mas a cultura do futebol é não marcar falta nesse tipo de lance – mas respeito que pensa diferente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: