Além do Jogo

O blog do Marcelo Damato

Escândalo em Minas derruba um

Posted by Marcelo Damato em terça-feira, 4 março 2008

Por Nélson Jr, de Uberlândia*

O presidente da Comissão de Arbitragem da Federação Mineira de Futebol, Lincoln Afonso Bicalho, pediu, nesta segunda-feira, afastamento do cargo por tempo indeterminado. José Eugênio, secretário da Comissão de Arbitragem, assume em seu lugar.
Bicalho havia sido denunciado por três dos sete árbitros afastados por superfaturarem passagens aéreas. Eles acusam Bicalho de irregularidades no contrato com uma empresa fornecedora de material esportivo dos árbitros mineiros, além da apropriação indevida de recursos da pré-temporada dos árbitros e a possível utilização de uma conta particular para arrecadar fundos para os treinamentos. Também o acusam de pressionar a arbitragem.

Os jornais de Minas Gerais dizem que Bicalho quer ocupar cargo na Comissão Nacional de Arbitragem, até já foi ao Palácio da Liberdade várias vezes pedir ao governador Aécio Neves interceder junto ao presidente da CBF, Ricardo Teixeira.

* com edição do texto deste blog.

Comentário do blogueiro:  Hoje falei com o presidente da comissão nacional de arbitragem, Sérgio Correa, que qualificou a denúncia dos árbitros afastados como algo de menor importância e restrito a Minas Gerais, apesar de potencialmente árbitros que participariam desse suposto esquema poderem apitar no Brasileiro.

10 Respostas to “Escândalo em Minas derruba um”

  1. Renato de Almeida Verde said

    Mais uma vez: Não vai dar em nada! As vezes paro para pensar que País é esse onde a impunidade é seu vizinho mais próximo. Sinceramente teria de fazer igual na China: é corrupto? é criminoso? execução sumária em plena praça pública perante os olhos do povo. Isso deveria existir em TODAS as instâncias do poder público. Aí muita gente sumiria do país ou incubava de vez. Digo mais uma coisa, eu a c r e d i t o piamente que existam ainda por baixo dos panos muita falcatrua em todos os níveis do futebol. Essa balela de dizer que tudo está bem, só se for para inglês ver. Na federação do Rio sai Caixa D’água entra Rubens Lopes, precisa dizer mais alguma coisa???

    Renato
    , execução em praça pública acontece no Irã. Só que lá você não poderia estar escrevendo à vontade, se isso não fosse a vontade do governo. E a pena de morte tem um defeito grave. Se o cara for inocentado depois, como é que faz. Estudos feitos nos EUA mostram que mais de 10% das pessoas executadas ou foram condenadas sem provas suficientes ou eram simplesmente inocentes. Você acha que uma taxa de 10% nesse caso é aceitável?

  2. JoaoBittar said

    Ninguem na imprensa mineira se dispoe a ouvir os arbitros superfaturadores? Nao achei muita coisa, alem da relacao dos punidos num blog cruzeirense *. E certamente deve haver comentarios nos jornais mineiros, aos quais nao temos acesso por aqui. Nada muito grande e aprofundado, no entanto.
    Serah que a pauta da midia esportiva mineira tah tao espetacular que esse tema possa ser desprezado?
    Por outro lado, o Mineiro-07, provoca muita discussao nas Alterosas. Tem gente que acha que nao acabou ainda.
    O CAtleticoMineiro seria a vitima do esquema denunciado por Clever,Souza e Conceicao ? ZizaValadares insinua e pede juiz estrangeiro.
    Acho que o tema eh nacional desde a confirmacao da pena do STJD imposta aos arbitros.

    *Aurélio Gomes Faria Nadú, Alexandre Santos Conceição, Cléver Assunção Gonçalves, Éneas Eugênio Aguiar e Sérgio Avelino foram apenados com 120 dias de suspensão. Já José Carlos de Souza e Osmar Dias Camilo, com 240 dias

  3. Claudio said

    Olá, sou mineiro e ouço o programa em que os arbitros fizeram as denuncias, e ontem ouvi também as explicações do Lincon Bicalho sobre as acusações, e pelo que ouvi acho q não vai dar em nada, ele respondeu a quase todas as acusações e explicou como funciona o contrato com a fornecedora de material esportivo e como funciona a pré-temporada e porque arrecada dinheiro dos arbitros para realizá-la. Bicalho negou ainda que fez “pressão” na arbitragem para beneficiar o América-MG, porém isso não me convenceu, pois a denúncia foi confirmada pelos dois arbitros que sofreram a “pressão” pelo telefone ao produtor da rádio usada para a denuncia, consta também que ontem, estranhamente, os dois árbitros já mudaram de opinião e não confirmavam mais a denúncia. Outra denuncia nos mesmos moldes, disseram os arbitros que foi em um jogo no Norte do País em benefício do Ipatinga, e que o arbitro que sofreu a pressão entrou até chegou a fazer uma denúncia escrita contra Bicalho na CBF.
    Mas a denúncia não ficou somente restrita a Minas Gerais, os arbitros denunciaram também que uma árbitra mineira, que agora me falha o nome, teve uma relação com o Sr. Sergio Correia, ela solteira e ele casado, enquanto ele estava em fim de carreira como árbitro. Parece que a relação foi descoberta pela família do Sergio Correia e eles terminaram. A própria árbitra entrou ao vivo na radio para confirmar que depois desses acontecimentos, passou a ser perseguida e não conseguiu dar prosseguimento a sua carreira, a medida em que Sergio Correia se estabelecia como dirigente relacionado a arbitragem.
    Bom, é estranho que depois deste episódio o Sergio Correia ainda diga que isso é: “algo de menor importância e restrito a Minas Gerais”.
    Obrigado e abraço a todos.

    Quando conversei com o Sérgio Correa, Cláudio, ele obviamente não citou o caso da árbitra, mas tampouco as denúncias contra o Bicalho, que naquele momento eu desconhecia. Ao Lance de hoje, diz que foi ameaçado por um dos árbitros afastados, mas nao deu maior importância porque considerou uma atitude de uma pessoa desesperada. Pelo que conheço do Ricardo Teixeira, se esse escândalo continuar, o Correa cai. Tudo o que (qualquer) dirigente não quer é escândalo na área de arbitragem. Já vi árbitro ser envolvido de forma absolutamente lateral num escândalo e ser afastado.

  4. Claudio said

    Ao JoaoBittar
    Esse escandalo a que se refere o texto surgiu quando uma radio mineira deu voz a um trio de arbitros que participaram do esquema de superfaturamento de passagens. Não sei se o Marcelo autoriza colocar o nome da radio e o programa, que tem site na rede, para você se informar mais. Referente a “pauta tão espetacular da imprensa mineira”, não sei bem o que acontece, mas parece que quando um veículo dá “um furo” a concorrência não repercute para não dar ibope ao adversário. Consta que os três arbitros deram uma exclusiva a radio e ontem também o Bicalho deu uma exclusiva à radio para sua defesa, então acho que os outros veículos de imprensa não vão repercutir muito isso, a não ser que a coisa fique grande, a nível nacional.
    João, as denuncias sobre “pressão” na arbitragem, no campeonato mineiro/2007, foram referentes a dois jogos do America-MG, que caiu pra segundona mineira, diziam os arbitros afastados que o Bicalho pedia para tomar cuidado com o que se apitasse contra o América, que era clube grande e tal, e que não interessaria a ninguém sobre sua queda à segundona. Com relação ao campeonato deste ano não houve nenhuma denuncia por parte dos arbitros afastados. A choradeira do Ziza é que o Cruzeiro tem sido beneficiado com marcação de penaltis inexistentes a favor do time da toca e ainda a não marcação de penaltis contra o time azul. Você sabe como é não, é que essa é a semana do clássico e aí todo mundo já começa a pressionar a arbitragem.

    Ao Marcelo gostaria de dizer que parece que aqui as coisas não vão virar novela, o presidente do TJD mineiro prometeu por um ponto final nisso tudo até sexta. É como você falou, quanto mais tempo demorar para acabar com isso mais gente pode cair. No mais, acho que, além dos árbitros afastados, o Bicalho vai ser o maior prejudicado, porque se ele aspirava o lugar do Sérgio Correia, acho que com essa ele pode desistir.

    Agora Marcelo uma coisa que não entendi é porque os árbitros foram afastados, ou excluídos, uma vez que eles foram anteriormente julgados, condenados a uma pena em “x” dias, cumpriram a pena e não foram acusados de mais nada. Com base em que o Sergio Correia tomou esta atitude?

  5. JUVENAL RIBEIRO said

    Lendo os textos observei que esqueceram do objeto do problema: o afastamento dos juizes por SUPERFATURAMENTO DE PASSAGENS AÉREAS, com alguns deles sendo punidos pela REINCIDÊNCIA. Se eles estão acusando o presidente da comissão mineira é por que não vão atuar no mineiro e no brasileiro. O caso da juiza com o presidente da comissão ocorreu há 4 anos atrás enquanto ele apitava e isto não me parece assédio. Queria apenas entender os motivos do desvio de tudo. Se provarem algo contra dirigentes ou juizes deve-se apurar e punir, mas desvio de foco é abominável. E no tempo do Armando Marques que foi afastado por causa de juizes que mudaram resultados e olha que nem vou comentar sobre problemas de ordem sexual.


    Caro Juvenal,
    seja bem-vindo. Quem esqueceu do problema? Nós não, Juvenal. É o abre do primeiro texto. Além disso, esse é um caso resolvido na esfera esportiva. Os árbitros foram banidos do esporte. O que se pode fazer a mais? Agora é preciso investigar as denúncias deles. Claro que por terem sido expulsos as denúncias deve ser apuradas com cuidado, mas você sabe bem que quem conhece sujeira é quem está metido nela. Não estou dizendo que esse é o caso, apenas que as denúncias merecem ser investigadas. No caso da juíza, de fato, parece estranho uma denúncia de assédio quatro anos depois do fato e num caso que era conhecido por todo o meio da arbitragem, segundo soube hoje. A arbitragem, como sempre, tem muitos problema, pois os árbitros são pessoas com muito poder, pouco preparo para enfrentar isso e sujeitos a muita pressão. É preciso mudar a estrutura da arbitragem, dar maior autonomia e criar um órgão correicional, como se faz com a Justiça. É preciso despolitizar a arbitragem. Abraço. Escreva mais.

  6. JUVENAL RIBEIRO said

    OS ARBITROS QUEREM VOLTAR. VEJAM O QUE ACONTECEU COM UM QUE TENTOU:
    O árbitro Alfredo Loebeling saiu derrotado em ação judicial que movia contra a CBF, pleiteando a sua imediata reintegração ao quadro de árbitros da entidade. Para quem não se lembra, Loebeling foi o pivô de uma grande polêmica que ocorreu no jogo Caxias e Figueirense, na final do Brasileirão da Série B de 2001. Desde então, não voltou a ser escalado por Armando Marques e perdeu seu escudo da FIFA. Ultimamente, Loebeling tem organizado projetos sociais na área do esporte.

    Caro Juvenal, com as informações que você pôs, não vejo nada demais no caso. O Loebeling recorreu à Justiça para tentar obter algo que julgava ser seu direito. A CBF pensava diferente e recorreu. E ganhou. O Loebeling perdeu e ficou como estava: sem apitar. Além disso, ele já deve estar com mais de 45 anos, não? Sei que o Loebeling tem uma ONG que cuida de crianças de Paraisópolis. Mas isso já é fora do esporte profissional, logo fora do escopo deste blog. Obrigado pelos comentários. Escreva mais! Abraço

  7. JUVENAL RIBEIRO said

    Obrigado por responder tão rápido. Vc tem rzão e tem que investigar sim. O Tribunal de Minas ficou de ouvir todo mundo. Acompanharei este problema. No caso da juíza concordo que é muito estranho e parece vingança. Nao entendi que as demais denúncias contra o presidente mineiro, na minha opinião, mais graves nem foram citadas pelo programa de TV que exibiu a moça. Pareceu algo pessoal do juiz Godoy contra o presidente Sérgio Correia. Vc acha que este tem condições morais de continuar presidindo da comissão depois desta acusação esquisita, em pleno século XXI. No programa da Itatiaia falou-se da falta de prestação de contas da Associação dos Juizes numa verba do ministério do esporte. Vc em conhecimento disto:

    Caro Juvenal, o Sérgio começou a carreira como um juiz combativo, depois enveredou pela carreira sindical e entrou no sistema. Ele é presidente do Sindicato dos Árbitros há vários anos, empregou a filha e a mulher, sob a justificativa de que precisava de gente da sua máxima confiança para assessorá-lo. Mesmo no sindicato, não se negou a participar de comissões de arbitragem, primeiro na FPF e agora na CBF. Quando virou presidente da comissão da CBF, ainda levou um grande tempo para sair do sindicato (se é que já saiu), para sair apenas depois que tivesse as contas aprovadas. Por outro lado, intensificou as semanas de treinamento para árbitros e assistentes, acelerou o processo de renovação do quadro. EU acho que presidente da comissão de arbitragem não deveria ser prerrogativa do presidente da CBF. Deveria haver um processo mais aberto em que os candidatos defendessem projetos para a arbitragem. além disso, a comissão deveria ser independente da entidade, para reduzir as pressões dos dirigentes.

  8. JUVENAL RIBEIRO said

    Buscando na internet achei isto:

    Veja o que o presidente da conaf disse: “O árbitro já entra em campo com a pecha de ladrão. Se tiver um histórico negativo, as coisas pioram. Qual presidente de clube que vai confiar nesses árbitros sabendo que eles cometeram esse erro no passado? Chegamos à conclusão que eles não devem permanecer no quadro.”

    Quanto ao caso ele disse: “Conheci uma mulher adulta, quase da minha idade em um congresso realizado em Teresina, em 2001, quando ainda era árbitro e tivemos um brevissimo relacionamento que só trouxe dissabores a família. Essa relação não tem nada a ver com arbitragem. Assumi o meu erro perante a minha esposa e é um assunto estritamente pessoal que não deveria ser trazido a público.”

    Perseguição: Ouvi na Itatiaia a juiza dizendo que deixou a arbitragem no ano passado por iniciativa própria. “Coloquei-me à disposição da Federação para ajudar, por exemplo, como observadora. Mas fiquei sabendo que, enquanto ele (Sérgio) estiver na Comissão, não poderei participar de nada que envolva arbitragem”, denunciou.

    O presidente respondeu que ela está misturando as datas e que ela parou antes da ida dele para a comissão e que a indicação dos observadores é da federação local.

    Que coisa hein!

    Que coisa, mesmo JUvenal. Vou usar uma frase que você colocou aqui.

  9. JUVENAL RIBEIRO said

    Li isto agora no http://www.globo.com

    O Tribunal de Justiça de Desportiva de Minas Gerais começa, nesta quinta-feira, a apurar os fatos relativos à crise na arbitragem mineira. Os árbitros envolvidos serão ouvidos a partir das 14h (de Brasília), na sede do Tribunal.

    O objetivo é esclarecer as denúncias feitas pelos árbitros contra o presidente da Comissão de Arbitragem da Federação Mineira de Futebol, Lincoln Afonso Bicalho, que já se afastou do cargo até o término das investigações.

    Bicalho ficará fora até que sejam apuradas as denúncias feitas pelos árbitros punidos por superfaturamento de passagens aéreas. Eles acusam a comissão de pressionar para que os juízes manipulassem resultados de jogos no Campeonato Mineiro e na Série B do Campeonato Brasileiro do ano passado.

  10. Jorge Arnaldo said

    Lendo tudo sobre o assunto é crível que tratar o assunto com pouco caso foi acertado por parte do presidente citado, haja vista que parece ter ocorrido recuo dos juizes CORAJOSOS PARA ACUSAR O PRESIDENTE DA COMISSAO E NAO TIVERAM A MESMA CORAGEM PARA NAO COMETER UM ATO ILICITO DE SUPERFATURAR AS PASSAGENS. E perdemos muitas linhas com eles. Acorda Brasil!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: