Além do Jogo

O blog do Marcelo Damato

Barraco na arbitragem

Posted by Marcelo Damato em quarta-feira, 5 março 2008

“Árbitro é como a mulher de César. Não basta ser honesto, precisa parecer honesto”

Sérgio Correa, presidente da comissão nacional de arbitragem, em setembro de 2007, ao anunciar a expulsão do quadro da CBF de sete árbitros e assistentes condenados naquele dia pelo STJD por superfaturar a compra de passagens aéreas.

Conheci uma mulher adulta, quase da minha idade, em um congresso realizado em Teresina, em 2001, quando ainda era árbitro e tivemos um brevíssimo relacionamento que só trouxe dissabores à (minha) família. Essa relação não tem nada a ver com arbitragem. Assumi o meu erro perante a minha esposa e é um assunto estritamente pessoal que não deveria ser trazido a público”

Sérgio Correa, presidente do sindicato dos árbitros de São Paulo, ex-secretário geral da Associação nacional e presidente da comissão de arbitragem da CBF, sobre seu relacionamento com Ana Cecílio, ex-árbitra e vice-presidente do sindidato de Minas Gerais.

Fatos: Relacionamento começou em 2001 e acabou em 2004, quando a filha de Correa, que era funcionária do Sindicato dos Árbitros de São Paulo, descobriu a correspondência do pai com a árbitra mineira e dirigente sindical Ana Cecílio. Esta, ao contrário do que já foi atribuído a ela nos últimos dias, nega ter sofrido assédio e que afirma que o número de encontros limitou-se a quatro (dois, segundo Correa).
Em 2005, numa reunião da Anaf realizada no sindicato paulista, a mulher de Correa, que não era funcionária do sindicato, avançou para cima de Cecílio, quando esta desembarcava do carro. Cecílio havia ido à reunião na qualidade de vice-presidente do sindicato mineiro da categoria. A mulher de Correa, segundo este, havia ido para conferir se a árbitra apareceria. Outros árbitros intervieram e não houve confronto. Na parte da manhã, Cecílio participou da reunião e Correa manteve-se fora. Na parte da tarde, a árbitra se ausentou, e Correa compareceu.
Cecílio se formou árbitra assistente em 1994. Em 2000, passou a árbitra. Em 2002, começou a trabalhar no futebol profissional de Minas, atuando principalmente na terceira divisão (chamada Segunda) e na segunda (Módelo 2). De 2002 a 2005, foi escalada no Brasileiro da Série C, sempre como quarto árbitro. Com a troca de Armando Marques, no final de setembro daquele ano, por Edson Rezende nunca mais foi escalada. Naquela época, Sérgio Correa ainda estava na comissão de arbitragem da Federação Paulista. Chegou à CBF em 2006. Cecílio aposentou-se da arbitragem em 2007, aos 41 anos.

22 Respostas to “Barraco na arbitragem”

  1. Rubens Leme said

    será que ela vai dar aula no IWL?

  2. geraldo c araujo said

    A filha desse Sérgio é funcionária do sindicato que ele preside; a mulher (oficial) do Sérgio é funcionária do sindicato que ele preside. Quantos outros parentes do Sergio Correa ocuparão posições no sindicato que ele preside?

    A mulher não foi funcionária, não, Geraldo. Eu errei, corrigi e não percebi que você já tinha comentado. Aliás é ainda mais estranho que ela estivesse lá. Foi com certeza esperar a rival.

  3. Onofri said

    Pô, daria, na mão de um bom diretor, um bom filme…

  4. mh said

    hahahaha

    Esse blog é maravilhoso!

    (rir para não chorar)

    Que horas a Ana Paula de Oliveira entra nesta história??

    :))

    Acho que nunca, Mário, ela já foi posta para escanteio.

  5. Orlando said

    A vida como ela é… rs

  6. Flavio said

    Daria um belo filme de 3ª categoria, desses que passam na Globo no sábado. Já até imagino os possíveis títulos: “Cartão vermelho para o amor”, “Amor impedido”, “Jogada para escanteio”, etc.

    Com esses títulos, Flavio, nem no sábado à noite, hehehe. Parece mais filme da TV Gazeta, quando tinha.

  7. nelson jr uberlândia said

    Nem Nelson Rodrigues teria tanta imaginação… Que zona esse sindicato. Poderia ser pauta pro Datena ou Aqui Agora…

  8. mh said

    O Datena – só pra fazer um link — é um dos instrutores do IWL.

    Isso é surpreendente, Mario, pois o Datena é muito amigo do Kajuru e este teve muitos conflitos com o Luxemburgo, se me lembro bem.

  9. geraldo c araujo said

    RUBENS, DESCULPE A CONFUSÃO. ESSA INTOLERÁVEL MIXÓRDIA EM TORNO DE NEPOTISMO E PROMISCUIDADE, ALÉM DE ME CAUSAR REVOLTA, TAMBÉM ME DEIXOU OBNUBILADO.

  10. Joao Bosco said

    Quem dos que aqui escrevem nunca deram umazinha. Convenhamos, moralismo em 2008, se fosse em 1908 estava com vcs. Errou, assumiram e acabou. Pergunto o que isto acrescenta para o futebol.

    Caro João Bosco, Seja bem-vindo ao blog. Escreva mais vezes. Como é a primeira vez que escreve suponho que não conheça a filosofia deste espaço. Aqui não se fazem juízos morais de ninguém. Aqui se olham fatos. A questão não é, nem mesmo, dar “umazinha” ou não. Isso é da vida particular de cada um.
    Essa questão é importante por seu impacto na arbitragem. Em primeiro lugar, o caso já é público desde 2005 pois até briga na rua teve. Em segundo, envolve duas pessoas da arbitragem, e, mais ainda, uma que há uns dez anos ocupa cargos de proa na arbitragem brasileira, primeiro no sindicalismo e depois nas comissões de arbitragem. Além de tudo isso, se Sérgio Correa prega publicamente comportamento exemplar aos seus comandados, sabe que está exposto a esse tipo de cobrança. Não tenho nada contra ele. É uma pessoa a quem entrevisto ou converso há quase 15 anos. Mas o que ele fez merece registro.

  11. JoaoBittar said

    Aquele personagem do JoSoares que acordava do coma ouvia as noticias e mandava tirar o tubo, vai entrar quando nesta historia *?

    *obrigado mh

  12. Joao Bosco said

    Marcelo, posso chama-lo assim? Sou de Minas Gerais e apitei futebol amador, pois não consegui fazer o curso por morar no interior (eles só aceitam quem mora em Belo Horizonte).

    Quanto ao caso, concordo com sua resposta, todavia, na história mundial temos milhares de casos de pessoas públicas e casos semelhantes muito mais importantes do que este (Bill Clinton e a estagiária), inclusive cito uma passagem bíblica com Maria Madalena, que quase foi apedrejada, mas foi salva por alguém que disse: “quem não tiver cometido pecado que atire a primeira pedra”.

    Estas pessoas podem e devem pagar pelos seus erros, mas acho mais relevante citar o que os juizes acusaram o presidente deles de que, supostamente, teria cobrado taxas de eventos realizados; pressão em arbitragem, etc.

    Lembro-me do presidente anterior, Armando Marques, que não puniu o Edilson pelo diploma falso e viram no que deu. Salvo engano estes juizes afastados cometeram um erro de superfaturar passagens, alguns reincidentes e outro do grupo que também falsificou o diploma. O que vc faria se estivesse na função deles em relação ao superfaturamento e falsificação de diploma?.

    Até prefiro, João. Já na primeira frase, fiquei estarrecido. A Federação Mineira não aceita candidatos a árbitro do interior? Nem mesmo se se dispuserem a ir a BH assistir às aulas? Sobre o resto da sua réplica, ela requer uam resposta cuidadosa. O Clinton, no meu ponto de vista foi um grande presidente, mas o que ele e a estagiária fizeram foi um absurdo. Ele não merece ser visto apenas por seu erro, mas sem dúvida que foi um erro e que, em alguma medida, deveria ter sido tratado publicamente. Pois ele fez num local público. Sobre o episódio de Jesus com Maria Madalena (ou outra pessoa, pois há cada vez mais gente dizendo que esta não era prostituta, mas entrou para a história como se fosse por um erro de redação), acho que só se aplica àquele caso – não discuto textos religiosos. Mas é inaplicável ao mundo real. Se os juízes de direito aplicassem essa regra, todos os acusados seriam absolvidos, pois não há por que imaginar que Jesus estivesse falando apenas de delitos sexuais – e aquela mulher nem era casada. Então, acho melhor, neste caso, deixar a Bíblia na prateleira.
    Sobre o parágrafo seguinte, essa informação está explícita na primeira nota sobre o caso. São três. Releia, por favor. O Sérgio Correa fez muito bem ao afastar os árbitros. Essa era sua obrigação moral como presidente da comissão de arbitragem. Isso não quer dizer que as acusações destes – que não envolvem o Sérgio, aliás – devam ser desqualificadas. Ao contrário, devem ser apuradas. Apurar uma denúncia não significa condenar a pessoa. Pelo contrário, se ela for inocente servirá para fazer cessar as
    dúvidas.

  13. Joao Bosco said

    Concordo com o vc Marcelo. Inclusive nas suas réplicas. É preciso sempre olhar os dois lados. Refletindo sobre seu último parágrafo me veio a seguinte dúvida. Se o presidente da comissão nacional não afastasse os árbitros e que o Lincoln Bicalho estaria de olho no cargo dele, talvez esta moça não fosse a público para detonar o presidente dizendo que somente não afastaram os juizes por medo dela contar o caso e ai ele passaria a ser vilão e o mineiro o justiceiro? Na politica tem cada armadilha.

    O curso é feito pelo interior, com os professores cobrando e a Federação validando, mas para chegar na arbitragem tem que morar na capital, uma das poucas exceções é o Alicio que vai apitar o clássico domingo. Este sim de muito respeito. Não foi com ele que o Corinthians caiu para segunda?.

    Falando em Corinthians na segunda me parece ser mais um indicativo de que o presidente Sérgio Correia é uma pessoa séria, porque ele sendo de São Paulo eu acreditava que o Timão não cairia, a Portuguesa não subiria e outros paulistas não cairiam para Série C.

    Fecho minha participação agradecendo a oportunidade e acho que vc tem muito trabalho em ler e responder tudo isto. Como faz para arrumar tempo?

  14. Joao Bosco said

    Marcelo, veja o edital divulgado (curso de final de semana reconhecido pela FMF):

    CURSO DE ARBITRAGEM DE FUTEBOL / 2008
    REALIZAÇÃO: Liga Uberlandense de Futebol / Departamento de Árbitros.
    INSTRUTORES: Lincoln Afonso Borjaile Bicalho / FMF e José Eugênio / FMF
    PERÍODO DE REALIZAÇÃO DO CURSO:
    28/03/08 – Sexta-feira (19:00 às 22:00 horas)
    29/03/08 – Sábado (8:00 às 11:00 e das12:00 às 17:00 horas)
    30/03/08 – Domingo (8:00 às 12:00 horas) Prova.
    LOCAL DE INSCRIÇÕES / INFORMAÇÕES:
    Secretaria LUF (8:00 às 11:00 e das 13:00 às 18:00 horas) de Segunda a Sexta-feira.
    Telefones: 034 – 3232:0822 e 034 – 3232:2323
    Inscrições poderão ser feitas até momentos antes do Curso.
    TAXA DE INSCRIÇÃO: R$ 80,00 (Oitenta Reais) – forma de pagamento: À Vista
    DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA: Xérox Identidade e Xérox CPF
    IDADE MÍNIMA: 16 anos completos na data do curso.
    OBS.: Os aprovados receberão CERTIFICADO EMITIDO PELA FEDERAÇÃO MINEIRA DE FUTEBOL.
    (Mínimo para aprovação: 70% – setenta por cento)
    Departamento de árbitros

    Foi publicado quando, João? Outra coisa. Esse curso mostra que o pessoal do interior pode estudar para árbitro da FMF. Ou não?

  15. Joao Bosco said

    Segue mais um curso, este foi no 0800…

    Foi realizado nos dias 25, 26 e 27 de agosto, no auditório da Secretaria de Saúde, o Curso de Arbitragem ministrado pelo Juiz Lincoln Afonso Bicalho. Com mais de 30 inscritos, o curso buscou a formação de novos árbitros e levou ao conhecimento dos participantes as mais recentes regras de arbitragem.
    O Juiz Lincoln Afonso Bicalho é um dos três instrutores da FIFA no Brasil autorizado pela entidade a ministrar cursos. A Secretaria Municipal de Esportes buscou através deste curso a formação de Árbitros de Lagoa Santa, aprimorar e oferecer mais qualidade aos diversos campeonatos de futebol existentes no município.

    Essa eu não entendi, João. Por que publicou isso?

  16. Joao Bosco said

    DOIS PUNIDOS PELO STJD. UM DELES FAZ PARTE DOS ARBITROS MINEIROS QUE TERIAM SUPERFATURADO PASSAGENS E ACUSADO PELOS ÁRBITROS DE TER SOFRIDO PRESSÃO, MAS ELE DESMENTIU ISTO NO TRIBUNAL HOJE A TARDE:

    Graças a uma declaração em um jornal de Recife, dois homens atuantes no mundo do futebol foram condenados em primeira sessão da Primeira Comissão Disciplinar, do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Uma denúncia foi originada através de uma investigação, no inquérito presidido pelo Auditor do STJD Dr. Alexandre Quadros, que tinha como objetivo apurar um “suposto” esquema de corrupção ou fraude na arbitragem da Série B do Campeonato Brasileiro de 2007. Os fatos apurados pretendiam descobrir se havia uma possível imputação de participação de árbitros num esquema de beneficiamento de equipes.

    Na investigação nada foi encontrado que comprovasse o benefício das equipes da Série B. Porém, durante o inquérito, foram detectados elementos que possibilitaram as primeiras denúncias do ano de 2008, no STJD. Os denunciados no processo foram: Carlos Alberto de Oliveira, Presidente da Federação Pernambucana de Futebol, condenado por unanimidade a 30 dias de suspensão e Enéas Eugênio de Aguiar, árbitro da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), apenado por maioria de votos, a suspensão de 190 dias.

    O Relator do processo foi Dr. Henrique César Domenici, que votou no sentido de suspender os dois. O Dr. Joaquim Barreto, advogado do Presidente da Federação Pernambucana de Futebol, disse em entrevista exclusiva ao Justica desportiva que está satisfeito com o resultado, pois a expectativa era uma condenação maior. Mas conversará com Carlos Alberto pra saber se vai entrar ou não com um recurso, para então tentar mudar a jurisprudência e assim não constar esta pena na ficha do condenado.

    Já o advogado Oswaldo Sestário, defensor do árbitro disse: “A Comissão, na verdade, entendeu que o caso teria perdido o objeto. Porém, visando que no futuro o árbitro queira reingressar, o suspendeu e isso ficará constado na ficha dele, já que a punição não vai ter qualquer efeito prático.”

    Carlos Alberto foi denunciado no artigo 188 Parágrafo único (Manifestar-se de forma desrespeitosa, ou ofensiva, contra membros do Conselho Nacional de Esporte; dos poderes das entidades desportivas ou da Justiça Desportiva, e contra árbitro ou auxiliar em razão de suas atribuições, ou ameaçá-los. Quando a manifestação for feita por meio da imprensa, rádio, televisão, internet ou qualquer meio eletrônico, a pena será de 60 a 360 dias), do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD).

    Já Enéas, foi incurso no artigo 234 (Falsificar, no todo ou em parte, documento público ou particular, omitir declaração que nele deveria constar, inserir ou fazer inserir declaração falsa ou diversa da que deveria ser escrita, para o fim de usá-lo perante a Justiça Desportiva ou entidade desportiva), do CBJD, que prevê como pena a suspensão de 180 a 720 dias e eliminação na reincidência.

    Obrigado pela informação. Mas quem fez a denúncia, João? E o suposto esquema de arbitragem teria beneficiado quem?

  17. Joao Bosco said

    A denúncia ocorreu no ano passado pelo presidente do Santa Cruz e da Federação Pernambucana na mídia, principalmente pela suposta participação de um membro da comissão nacional que assediava as equipes por e-mail. Diante disto tudo, parece que a comissão enviou tais denúncias ao STJD para apuração e houve as punições acima.

    O Enéas Eugênio, juiz mineiro foi punido por falsificar diploma de segundo grau, igual ao paulista Edilson e estava metido no superfaturamento de passagens junto com os outros seis afastados.

    Ontem os juizes foram ouvidos. O Clever mudou suas declarações dizendo que ouvia dizer, mas que nunca presenciou. O Alexandre não quis gravar entrevista por orientação do advogado.

    O auditor do TJD disse que não existe indicios de nada contra o presidente da comissão Lincoln Bicalho.

    Quanto aos cursos é uma demonstração de que são feitos nos finais de semana, com uma carga horária diferente da de São Paulo, por exemplo, não qualifica para o profissional. Se formado ali, temos que morar em BH para atuar no futebol.

    Assim que tiver maiores informações aqui de Minas eu escrevo por aqui.

    Obrigado, João. Estou aprendendo muito com o que diz. Só repetindo uma coisa: entendi mal, ou todos os árbitros da FMF têm que residir em BH? Ou só têm que residir enquanto fazem o curso que forma para o profissional? Vou ver como é em SP, mas achava que tinha aula apenas à noite, algumas vezes por semana. Para quem morasse muito longe era complicado, mas para tinha muito aluno que morava a 120km, 140 km. De qualquer forma, tem razão em que deveria haver curso em outras cidades.

  18. Carlos Roberto Simões/BH said

    Lincoln se diz caluniado por árbitros afastados

    Presidente licenciado da Comissão de Arbitragem pretende tomar providências jurídicas após conclusão do inquérito pelo TJD da FMF

    RODRIGO RODRIGUES – O TEMPO
    “Fui caluniado, execrado. Mas, na hora de provar, as pessoas não tinham nada de concreto contra mim.” O desabafo de Lincoln Afonso Bicalho, presidente licenciado da Comissão de Arbitragem de Minas Gerais, refere-se ao intricado enredo em que se meteu a arbitragem do Estado nos últimos dias.

    Conforme publicou O TEMPO durante a semana, suspeitas levantadas pelos árbitros Clever Assunção Gonçalves, Alexandre Santos Conceição e José Carlos de Souza contra a administração de Lincoln Bicalho motivaram a abertura de um inquérito no Tribunal de Justiça Desportiva de Minas Gerais (TJD-MG).

    No entanto, nos depoimentos prestados na última quinta-feira, as acusações não foram confirmadas. “Os envolvidos foram unânimes em afirmar que nunca foram pressionados para mudar resultado, que nunca viram nada de errado na arbitragem e nos sorteios. Disseram que ‘ouviram dizer’, mas nunca presenciaram nada”, relatou Sérgio Murilo Braga, presidente do TJD-MG.

    “A princípio, nada foi visto que descredencie o Lincoln (Bicalho). Contudo, será feita uma apuração mais ampla e temos um prazo de 30 dias para emitir um parecer definitivo”, explicou o procurador do TJD, Antônio Augusto Fonte Boa. Clever Assunção e José Carlos preferiram não comentar o assunto. Já Alexandre Santos Conceição não foi encontrado pela reportagem.

    Retratação
    Apesar da encaminhamento favorável, Lincoln Bicalho vai aguardar a conclusão do inquérito para tomar outras providências. “Estou mais aliviado, mas essa marca contra mim vai ficar. É como uma cirurgia que você faz, cura a enfermidade, mas fica a cicatriz”, descreveu.

    “Só espero que a imprensa, que divulgou todas essas calúnias contra mim para o Brasil inteiro, possa se retratar. Não me considero injustiçado (pela imprensa), mas será que terei o mesmo espaço para ’limpar’ minha imagem?”, indagou.
    Bicalho pediu licença do cargo na segunda-feira, segundo ele, para contribuir com as investigações. “O TJD disse que posso voltar a hora que quiser, mas quero me recuperar de tudo isso. Vou propor algumas mudanças ao presidente da FMF (Paulo Schettino) para não me expor tanto como aconteceu. Mas são questões administrativas e a serem tratadas internamente”, argumentou.
    Publicado em: 08/03/2008

    Caro Carlos Roberto. Seja bem-vindo ao blog. Obrigado pela informação. Chama realmente a atenção que três pessoas façam denúncias públicas e depois a retirem. Só espero que essas árbitros nunca mais apitem em Minas nem em lugar nenhum. Quem superfatura despesa e depois calunia a chefia deve ser afastado. Deve-se lembrar que eles ficaram semanas ameaçando fazer as denúncias. E torço para que essa retratação seja na direção dos fatos e não fruto de algum tipo de acordo. Como não há nenhum indício a suportar essa evidência, temos que acreditar na última palavra.

  19. Francisco Barreto said

    Que absurdo. Lembra-se da “Escola de Base” famosa pela destruição da reputação de pessoas inocentes. Ainda bem que os juizes foram eliminados e com tais atitudes demonstraram que queriam mesmo VINGANÇA contra os dirigentes. Eles, com o Marcelo disse, devem ser BANIDOS do futebol, pois não assumiram que tentaram ganhar um troco dos clubes e, pelo que disse o blogauta acima, parece que mentiram em tudo quanto é lugar. Por outro lado, se COMPROVAREM suas denúncias, o tal LINCOLN BICALHO deve ser BANIDO também.
    Novo termo: BLOGAUTA…

    Caro Francisco. Seja bem-vindo ao blog. Vi que posto cinco de uma vez. Em seguida responderei às outras. Continue escrevendo. Sobre o que escrevi, os árbitros, assumindo ou não seus erros, tinham que ser punidos. E de resto estamos de acordo. Por fim, o termo mais usado, por vários blogueiros em mais antigos do que eu, para o neologismo que inventou é “blogonauta”. Abraço

  20. Jorge Arnaldo said

    Senhor Marcelo Damato, o Celzo Unzete escreve isto que tomei a liberdade de lhe repassar. Trata dos casos amorosos no futebol.

    “Agora virou moda jogar nas costas do são-paulino Adriano toda a culpa por indisciplinas e escapadinhas noturnas. Esse hábito, no entanto, é quase tão velho quanto o próprio futebol, como mostram as três historinhas envolvendo craques que narrarei aqui…

    O maior artilheiro da história do próprio São Paulo, com 242 gols, sempre foi um indisciplinado de primeira hora: Serginho Chulapa. Conta-se que, na véspera dos jogos do Tricolor na cidade de Marília, ele sempre dava um jeito de ser expulso, receber o terceiro cartão amarelo ou arranjar uma contusão.

    Tudo porque no início da carreira, quando esteve emprestado ao MAC, Serginho teria se envolvido amorosamente com uma moça. Depois, teria passado a morrer de medo da perseguição do furioso pai da donzela…

    *************************************************************

    E Vagner Love, ex-Palmeiras? Não é à toa que ele já ostentava o “amoroso” apelido desde o início da carreira, bem antes, portanto, de aparecer no You Tube acompanhado de uma conhecida atriz pornô.

    Antes mesmo de se profissionalizar, durante a disputa de uma Copa São Paulo de Futebol Júnior, Love teria sido flagrado com uma mulher dentro da concentração. Foi aí que o apelido pegou para sempre.

    *************************************************************

    Mas a melhor história envolvendo escapadinhas de craques é mesmo aquela que era sempre contada pelo jornalista Sandro Moreyra e envolvia Mané Garrincha.

    Namorador inveterado, sempre que o Botafogo ou a Seleção chegava a um outro país, Garrincha tratava de se informar sobre onde ficava aquilo que ele mesmo chamava de “Casa da Marocas” — ou seja, a zona.

    Certa vez, Garrincha estava tranqüilamente em uma mesa de uma boate, com uma mulher no colo, quando viu, pela parede espelhada, a aproximação furtiva do técnico Zezé Moreira, que havia acordado no meio da noite e pegado um táxi só para localizar e surpreender o Mané.

    Garrincha, porém, não se apavorou: tratou, antes, de inverter o jogo. “Aí, hem, seu Zezé!”, teria exclamado o craque. “O senhor também aqui na zona?”

    Encabulado, Zezé Moreira tratou de correr de volta para o táxi. E deixou seu melhor jogador em paz.”

    Tudo isto serve para movimentar ainda mais o futebol brasileiro que anda mal de craques. Parabéns pelo seu blog.

    Caro Jorge Arnaldo, seja bem-vindo. Escreva mais vezes.
    Sobre o que escreveu, o Celso Unzelte tem feito ao longo dos anos um trabalho notável na preservação da memória do futebol brasileiro. E conhecer o passado é muito importante para entender o presente. É claro que o Adriano não se comprovou (pode até ser que seja, mas quem prova?) um baladeiro no porte do Serginho. A questão é que hoje em dia os jogadores são mais comportados, o que muda o contexto. Também a falta de notícia num dia pode fazer um “casinho” virar um “casão” (e o inverso também ocorre). Enfim, o Adriano corre o risco que todas as estrelas correm. É o tal preço da fama.

  21. Jorge Arnaldo said

    Lendo tudo sobre o assunto é crível que tratar o assunto com pouco caso foi acertado por parte do presidente citado, haja vista que parece ter ocorrido recuo dos juizes CORAJOSOS PARA ACUSAR O PRESIDENTE DA COMISSAO E NAO TIVERAM A MESMA CORAGEM PARA NAO COMETER UM ATO ILICITO DE SUPERFATURAR AS PASSAGENS. E perdemos muitas linhas com eles. Acorda Brasil!

  22. Marcos Roberto dos Santos said

    Nao concordo em se falar de problema pessoais mesmo que estes problemas sejam de pessoas publicas. O Fiori é louco da gota mas respeita o privado e nao leva para o publico problemas, como disse, privados. Aliás tudo isto é uma PRIVADA…

    Concordo contigo, Marcos, desde que os problemas pessoais não tenham relação com sua atividade pública, nem que se o caso já tiver estourado.. Imagine por exemplo que nesse caso das células-tronco que algum ministro do STF estivesse mantendo um romance com alguma mulher envolvida na disputa. Essa é uma informação de absoluto interesse público pela influência que potencialmente tem no destino do caso. No episódio do Sérgio Correa, o motivo é o outro. Desde que a sua mulher e a sua ex-namorada bateram boca no meio da rua, o caso deixou de ser um problema privado. Toda a categoria dos árbitros sabia da história. E não existe um segredo que envolva mais de 500 pessoas.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: