Além do Jogo

O blog do Marcelo Damato

Moda inútil

Posted by Marcelo Damato em quarta-feira, 12 março 2008

Não é só no Brasil que estilista de roupa esportiva gosta de inventar moda

Na camisa do Chivas Guadalajara, o número da camisa, não fica centralizado, como se faz desde que se aplica esse modo de identificação. Os numerais são colocados do lado direito, embaixo do ombro. Quando o jogador é focalizado pelo lado esquerdo, é impossível identificá-lo.

Isso ficou claro na partida contra o Deportivo Cúcuta na madrugada desta quarta-feira.

Mas para que identificar? O melhor não é que fique diferente?

12 Respostas to “Moda inútil”

  1. Michael said

    Depois dessa vao recomendar que os jogadores sejam identificados por crachá

  2. Pedro-Goiania-GO said

    Ja’ esta’ ficando ridiculo esta nova “moda” dos uniformes dos clubes. O Cruzeiro, que sempre teve um uniforme de dar inveja, se tornou um “tricolor” pois sua camisa tem 3 tons diferentes de Azul. Uma coisa horrorosa, como o meu Goias que sempre teve um Verde mais escuro lindo na camisa e agora tem 4 tons diferentes de verde no uniforme (parece as camisas que usavamos nas peladas dos anos 70 na escola). O FLU chega a ter uma camisa laranja e o Palmeiras uma amarela. Nosso futebol esta’ perdendo a indentidade.

  3. Maurício said

    Alô Marcelo. A polêmica vai aumentar. O SanLorenzo da Argentina foi jogar em Potosi, contra o Real, bem pertinho do céu e virou o primeiro tempo perdendo por 2 x 0. No segundo tempo o Real teve um jogador expulso, mas os jogadores do San Lorenzo tiveram forças e FOLEGO, para virar o jogo e isto na segunda metade do segundo tempo. Tudo bem que o terceiro gol foi em virtude de um penalti mandrake, mas eles jogaram por terra a teoria da altitude, ou não.

  4. JoaoBittar said

    A camisa do Chivas eh confusa como o time. Flop mexicano na primeira fase , pelo jeito. Perder pro Cucuta em casa….Melhor pro Santos.

    O Flamengo perde muito tempo discutindo essa historia de altitude. Mais do que preocupacao com a saude dos jogadores,
    parece haver a exaltacao do alibi pra derrota e a teimosia dos dirigentes ” que ninguem ouve..!”. O Fla jah reclamou o suficiente ( passou a ser choro, eu diria ), agora eh hora jogar bola e ponto. E nao soh no Maracana.

    Alias o melhor Flamengo de muitos anos, tropecou no mito da Libertadores e perdeu feio em Montevideo, ao nivel do mar e
    pode jogar fora uma grande oportunidade de ser bicampeao por conta desse “ambiente” equivocado a meu ver, de tratar a disputa da Copa como “guerra” contra a ” altitude” ” catimba e provocacao” e todos os fantasmas dos gringos e do seculo passado.
    Toroh, LeoMoura e FabioLuciano ( nao tao equilibrado como imaginavamos, o zagueirao ) deram provas de que esse papo de ” Libertadores eh diferente” nao foi bem explicado pra eles no vestiario. Ou seja: time tem, bola tambem. Mas falta encontrar o tom certo ( e Joel sabe fazer isto muuito bem ) no discurso psicologico pro Flamengo deslanchar e ignorar essas bobagens que acabam definindo, pro ruim, uma partida.

  5. Onofri said

    O que eu mais detesto nas roupas de trabalho dos jogadores de futebor são coisas escritas nos calções…
    Agora, temos camisas horrorosas por aí… A do Celtics, a do Sporting…
    Sem falar, é claro, no famoso calção quadriculado que o Glorioso usou tempos idos… O de estrelas eu gostava… eh eh eh
    Ah, nada é mais lindo do que a camisa número 1 do Glorioso das Praias…

  6. hugo said

    Onofri, a nº 1 tem muito mais tradição e, digamos, “mística”, mas acho a nº 2 bem mais bonita (ainda mais quando acompanhada do calção preto – às vezes usa-se o branco, que estraga o efeito).

  7. Scipião Alves said

    Onofri:
    Mais linda ainda era a camisa branquinha inteira, sem patrocínio. Só destacava o distintivo e o nº atrás.

  8. Scipião Alves said

    A camisa mais bonita que eu vi “ao vivo” na minha vida, foi a camisa do Peñarol nos anos 60, num jogo a noite contra o Palmeiras no Pacaembu. Listras verticais em amarelo e preto. Mas era um amarelo, tipo dourado, que até brilhava. Uma maravilha!!!

  9. JoaoBittar said

    Onofri,
    acho a camisa do Santos um primor.
    Mas ela eh igual a do Leeds que nao acho nada demais.
    Ou seja acho linda a camisa que o Scipiao citou, sem patrocinios, nao porque seja romantico, nada disso, porque essa camisa lembra um dos melhores times da historia.

    Meu pai, saopaulino de primeira linha, me chamava pra ver Tv P&B e chuvisquenta ( o que destacava mais ainda a camisa ) aquele time e aquela camisa encantados e dizia:
    ” presta atencao, nunca mais aparecerah nada igual…”

  10. Onofri said

    Hugo, eu acho o uniforme todo branco lindo, mas confesso que sempre comprei a listada para usar…principalmente com calção preto, como você bem o disse. Todas as brancas que tive, eu ganhei…

    Scipião, concordo. Camisas sem escritos são mais bonitas. E, falando do Glorioso, a número 10, então, quando aquele moçoilo jogava, que maravilha. Agora ele prefere outras coisas e outras pessoas. E a camisa 10, agora com marketing, qualquer peão usa… eh eh eh

    JoãoBittar, você teve sorte. Meu pai, que era parmera no sangue, nunca me falou do Glorioso ou me levou para ver. E quando íamos aos jogos dos verdes, o que era raro, ele saía triste, pois o parmera sempre perdia… eh eh eh Acho que era uma espécie de vingança dos tais Deuses do Futebor

  11. Felipe Bohrer said

    Do ponto de vista de design a camisa é altamente deficiente.

    Design = Forma + Função

    Primeiro a Função:
    O número não está lá à toa. Se o cara torna o número ilegível, é um erro grave. É que nem cadeira bamba, pode ser linda, mas não resolve o problema.
    Isso acontece também em outros clubes, por causa da falta de corpo da fonte do número, ou da relação de cores. (lembro que o Flamengo teve em 97 uma camisa com o numero preto e outline branco, que nem do primeiro degrau do estádio da gávea dava para ver a numeração. Ou o btaofogo há alguns anos usava um número bem fino em amarelo sobre a camisa alvinegra e não dava para ver nada.

    Agora a forma:
    O grande problema é que muitas destas marcas colocam pessoas sem relação afetiva com as camisas que desenham. E esquecem a relação de interação emocional do objeto com o usuário (no caso, o torcedor). Não quero uma camisa que seja a última moda em Paris. Quero uma camisa do meu clube com cara do meu clube. Não estou interessado em grandes inovações. Acho que a camisa 3 é ótima para esse tipo de coisa. Mas a camisa oficial deve se manter fiel às tradições do clube.

    Outro problema que eu acho grave é a aplicação de templates (dá-lhe Puma) que pasteuriza as camisas e torna por exemplo a camisa do Palmeiras extamente igual à do Saint-Ettiene, ou a camisa da suiça igual a camisa do Egito, ou da Tunisia… Matando a identidade do clube ou do país dentro de campo.

    Acho esta camisa do Chivas horrorosa, e é uma pena que a Reebok fez uma camisa linda para o vasco este ano, com cara de camisa de futebol (para os jogos internacionais), gola polo e tudo (e olha que gola polo virou artigo raro nos dias de hoje). É só dar uma pesquisada na história do clube, e tentar não inventar demais.

    Valeu!
    (Nada me irrita mais que aquele LUPO postado na retaguarda de 9 entre 10 times do Brasil)

  12. Rica said

    Hoje o uniforme (camisa, calção e meião) mais bonito é o do Botafogo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: