Além do Jogo

O blog do Marcelo Damato

Anote no caderninho – 11

Posted by Marcelo Damato em segunda-feira, 17 março 2008

“Iremos para a final do Paulistão e o São Paulo é perigoso quando chega.”

 Muricy Ramalho, técnico do São Paulo 

63 Respostas to “Anote no caderninho – 11”

  1. Bruno Gremista said

    Se o São Paulo é perigoso quando chega, isso todo mundo sabe. A questão é chegar a final. Vai ter que jogar mais bola do que vem jogando. E o Muricy disse isso para mostrar confiança no grupo, que deve estar abalado após a derrota contra o Palmeiras. Então nada fora do comum aí, se fosse o contrário, o Luxa faria a mesma coisa. E é até bom perder de goleada e escancarar que há erros, do que vencer sem convencer mais uma vez e esconder os erros pelo resultado.

  2. debico said

    Não discordo de Muricy. Acho até que o trio de ferros e juntará ao Guaratinguetá na briga pelo título. Agora, estar na final é bem mais delicado do que se imagina… seja contra quem for, principalmente contra o Palmeiras.

    É o que eu acho, Rojas. Foi por isso que eu postei. Mas o “tempo é o senhor da razão” como já disse desastradamente um narigudo que ocupou o Planalto.

  3. Gustavo Oliveira said

    Também acho que vão pras finais sim.

    Os jogos do São Paulo são fáceis: Gurani, Sertãozinho, Bragantino e Juventus. Tem que fazer muita força pra ficar fora.

    O Palmeiras tem os adversários mais complicados: Portuguesa, São Caetano (mais pelo histórico) e Barueri. Mas pelo que esta jogando também chega.

    Quem tem que se preocupar é o nosso timão que ainda terá Santos e Noroeste em Bauru.

    Sobre a segunda parte da frase, acho que o Corinthians é mais perigoso ainda quando chega. Ainda mais se cruzarmos com eles…

  4. Cesar Augusto said

    O Muricy foi elegante, não discutiu arbitragem, não desmereceu o Palmeiras, mas é o mais mordido pela derrota de ontem, em Ribeirão Preto.

    O São Paulo pode tirar muitas lições desta derrota.

    E, em minha opinião, chegará entre os 4 classificados, na mesma condição dos demais.

    O Palmeiras, hoje, tem mais time, mas o resultado, 4×1, foi enganoso e exagerado.

    O Muricy é experiente e sabedor que perdeu, apenas, uma batalha, mas a guerra ainda está em aberto.

    Acredito no Muricy.

  5. Alessandro said

    Não sei se estão com essa bola toda, eu quase que garanto que não vão estar na final, confio na final Palmeiras e o todo poderoso timão, não tão poderoso assim, mais quando chega é muito mais do que o São Paulo.

  6. EmersonF said

    O Muricy parece estar tentando levantar o moral do grupo e, mas do que isto, dar resposta a alguém internamente. Ele já disse na semana passada que vai se aposentar logo. Demonstra estar sendo pressionado. Muricy não consegue acertar o time do São Paulo. Sua defesa é falha, e o ataque não funciona.

  7. EmersonF said

    Vou pesquisar para descobrir o dia em que disse que o Palmeiras seria o campeão paulista. O Luxemburgo tem todos os defeitos do mundo, mas dentro de campo é melhor técnico brasileiro em atividade. Quando quer, monta times extremamente consistentes.

  8. Bruno Gremista said

    Pois é, ser técnico no São Paulo não é fácil. O Muricy no primeiro semestre é execrado, foi assim em 2006 e 2007. É vítima de críticas até injustas de torcedores e de conselheiros. Não sei se o Muricy vai ter saco para isso. E pior que dessa vez, acho que ele é o menos culpado. Primeiro, a diretoria não contrata jogadores para o técnico ter à sua disposição UM ELENCO para disputar dois campeonatos. Não contrata um meia, aquele que o Juvenal disse em 2007, que viria um meia de seleção. E o Muricy continua esperando por esse meia. A diretoria contrata Fábio Santos, que não vem apresentando lá um grande futebol, mas é uma “mega-contratação”, aí o Muricy precisa colocá-lo entre Richarlysson e Hernanes. Tudo bem, aí também é culpa do Muricy, que aceita tal situação. Mas a grande responsável por isso é diretoria, que sempre fora referência, só que neste ano está fraca para dar elementos ao técnico conseguir formar uma equipe coesa.

  9. gonz said

    concordo com o bruno…
    essa “obrigação” de colocar esses cabeças-de-bagre no time, além de desmontar o q dava certo ano passado, com certeza gera insatisfação com o grupo… ou tem gente que acha que os caras lá vão correr pra consagrá o adriano ele edepois tchau…

  10. Anísio FC said

    Gosto do Muricy, acho esse mau-humor dele engraçado.
    E é claro bom técnico, só acho que ainda está cedo pro Paulista e até pra Libertadores, mas acho que no Brasileiro ess time o PSFC com o Muricy estará na ponta dos cascos.
    Aliás, fala-se que o Muricy demora a acertar o time, mas nesse caso atual o cara tem pouquíssima, quase nenhuma, culpa, afinal desmontaram o time do SPFC…

  11. EmersonF said

    Bruno, o “sempre fora referência” é uma generosidade de sua parte. DE 94 a 2004, o São Paulo não ganhou praticamente nada. Não se tratou, portanto, de referência.

  12. Bruno Gremista said

    Ah sim, me expressei mal, mas falo da chapa do Marcelo Portugal Gouvêa e do Juvenal Juvêncio. Essa sim era a referência, o que não ocorre neste ano.

  13. Marcus Craveiro said

    Bruno,

    Até onde eu li, a diretoria já tinha acertado com Dudu Cearense, mas o Muricy barrou e pediu o Fábio Santos, dizendo que era seu “homem de confiança”. Agora o Muricy se vê obrigado a escalar o FS para justificar que indicou o jogador certo. Nesse caso, não é pressão da diretoria.
    Além disso, ele vetou a contratação do Roque Jr e agora não consegue relacionar dois zagueiros para os jogos.

    Não sabia dessas duas, Marcus. Realmente entre o Dudu e o Fábio não vejo muita dúvida, não. Já sobre o Roque Júnior seria mais reticente. Ele se machuca demais faz muitos anos que não tem uma temporada boa. E ainda por cima atua como empresário (é dono de um clube amador que faz parcerias com times profissionais). O Roque Jr. eu não quereria no meu time.

  14. Bruno Gremista said

    Isso é verdade, Marcus. O Muricy VETOU o Roque Júnior, e pelo que eu li, no jogo diante da Portuguesa, o São Paulo não teve nem sequer UM ZAGUEIRO no banco… Então nesse ponto, você tem total razão. Aliás, havia a tal promessa, se não me engano, o Ainslan, onde está o cara? Por que ele não é utilizado? Portanto, há razão nisso que você disse, o Muricy também está pisando um tanto na bola em certas coisas, como essa do R. Júnior. Sobre Dudu Cearense, não sabia. TRocar Dudu Cearense por Fábio Santos… Deixa pra lá…

  15. Marcus Craveiro said

    Esse Aislan é outra estória difícil de entender…que eu me lembre, ele fazia dupla de zaga com o Breno na Copa SP do ano passado e era o capitão do time (pq era o mais velho), mas não passava muita confiança, lento e sem muita noção de posicionamento…o Milton Cruz e o Muricy avaliaram e acharam que não dá pra colocar pra jogar. De uma hora pra outra, ele aparece na imprensa como o “novo Breno”, a “nova revelação do CT de Cotia” e sem nunca ter feito uma partida como profissional está hoje na Inglaterra, fazendo um estágio(?) e com possibilidade de já ser vendido.

  16. Bruno said

    Nunca serão!!!

  17. Onofri said

    Só uma coisa a dizer: Que meda!
    Ele precisar é ter medo do Rei Leão e seus comandados. Estamos chegando!
    E com um golaço do Kléber Pereira. Igual ao do Renato Gaúcho. Gol de título… eh eh eh
    Avante Glorioso…

  18. Marcus Craveiro said

    Eu nem acho que o Roque Jr seria a salvação da defesa, Marcelo. Só acho que esse é mais um exemplo pra desmistificar o grande planejamento da diretoria. É só ver a sequência de desencontros das contratações: 1- o Muricy pediu o Chicão, veio o Juninho; 2- a diretoria queria o Dudu Cearense, o Muricy bate o pé pelo Fábio Santos; 3- Com todos os problemas de contusão dos zagueiros (lembrando que o Alex Silva já estava machucado, o Alex Bruno e o André Dias se machucaram no começo do campeonato), a diretoria oferece Roque Jr mas o Muricy veta e prefere improvisar volantes na zaga…até acho que tem outras, mas só por essas já fica claro pra mim que o saldo entre erros e acertos está desfavorável.
    E como disse o EmersonF, o Muricy parece estar querendo dar resposta a alguém lá dentro…e é público que o Leco não gosta do Muricy e já pediu a cabeça dele algumas vezes no ano passado, mas o Juvenal bancou a permanência.

  19. Curiosamente, entre 1994 e 2004 – e no caso de um clube até tempos mais recentes -, quando o “São Paulo não ganhou praticamente nada”, seus co-irmãos em SP, Rio, Porto Alegre e Belo Horizonte eram abastecidos por muitos e muitos milhões de dólares.

    Um happening movido a verdinhas, quando as verdinhas valiam os olhos da cara.

    Realmente, agora concordo contigo em gênero, número e grau: nesse período a direção do São Paulo não foi referência mesmo.

    :o)

  20. No mais, continuo tranquilo com relação ao São Paulo.
    O que importa realmente é ter o time mais ajustado para o início da fase eliminatória da Libertadores. Acredito que o time não terá grandes dificuldades para passar para as oitavas.

    Vários atletas vêm apresentando evolução, como Adriano, principalmente, mas também Jorge Wagner,Borges, Zé Luiz.
    Dagoberto está muito bem, aparentemente. Recuperou-se e sua filha nasceu. CArlos Alberto correu 90 minutos no meio da semana e deu mostras de estar em bom ritmo de recuperação.

    Alex Silva renovou (coisa que cheguei a duvidar) e Miranda é Miranda. André Dias vai render muito mais ao lado dos dois, jogando no meio e na sobra.

    No mais, o grande mistério é a dupla Hernanes/Ricky.

    Joilson, Juninho, Eder, Eder Luiz, Jancarlos, vão compor o elenco. Alguns vão se sair melhor que outros, é tudo questão de tempo.

    Pelo jeito Muricy e a diretoria querem ir às finais do Paulista. Acho uma perda de adrenalina, mas eles devem saber o que estão fazendo. Por mim, esquecia o Paulista, mas sem a cobrança e a pressão insana de 2007 por causa de uma derrota para o São Caetano.

  21. wilbor said

    Acho que o SPFC se classifica com facilidade, por que seus últimos adversários são mais fracos que os dos outros concorrentes diretos às vagas.
    Para mim, o grande problema é que o SPFC ainda não encontrou seu jogo, ainda não fez uma ótima partida no ano. No ano passado foi a mesma coisa, a equipe só ganhou corpo depois da eliminação da Libertadores, ou seja, tarde demais para o sonho dos tricolores.
    E Marcelo, quase tive um susto quando abri seu blog hoje, por causa da nova “decoração”. Vai ficar assim? Sei lá, com todo respeito, mas eu gostava mais antes…

  22. wilbor said

    Acabei de ver no Lance! o comentário do Torcedor Doente pelo São Paulo. Se nem ele aguenta o Sr. MAC, quanto mais os rivais: Segue o texto:

    “Eu tenho vergonha na cara!

    postado por Tricampeão mundial

    Caros tricolores, tricampeões mundiais, não vou ao Pingüim, não vou aproveitar a noite de Ribeirão e só vou trabalhar amanhã porque papai é um patrão bem severo. Porque eu tenho VERGONHA NA CARA, ao contrário de alguns são-paulinos.
    Prefiro ficar escondido do que ir à televisão falar um monte de asneiras. Meu amigo Marco Aurélio Cunha, sou seu fã, mas pelo amor de Deus, pare de culpar a arbitragem! Estou ficando com vergonha em frente ao telão. Isso é típico dos porcos… Não sabem admitir quando são piores. Somos diferentes ou não somos?
    Devemos admitir que fomos piores e o seu Juvenal Juvêncio deveria admitir que seu planejamento foi um lixo! A comissão técnica, que andava de nariz em pé porque sua “preparação física foi iniciada antes da dos outros”, deveria explicar o porquê de
    tantas lesões. O técnico e seus auxiliares deveriam justificar tantas indicações estapafúrdias de jogadores. O seu “Ricky” deveria explicar porque vive dando chiliquinhos no gramado.
    Mas não, a culpa é sempre do árbitro? Isso aqui não é Botafogo, Marco! Isso aqui é São Paulo Futebol Clube! Ou nos fazemos respeitar, ou não poderemos exigir isso de ninguém. Quando é que vamos parar de comer mortadela e arrotar caviar???”

    Link para a notícia:
    http://www.lancenet.com.br/blogs_colunistas/phb/default.asp

    É, Wilbor, o tom do Pedro Henrique mudou bastante em relação à época em que eu trabalhava lá, hehehe

  23. Marcelo, terminou há pouco a reunião do C 13.
    ABriram as propostas e abriram sorrisos.

    Os valores não foram revelados, ainda (dia 27), mas os três produtos foram valorizados, conforme disse-me um participante.

    Postei um pouco mais no OCE, mas o resumo é esse.

  24. EmersonF said

    Pelos critérios deste blog, que prega o respeito e a discussão em termos equilibrados, o MAC seria um participante inconveniente.

  25. JOSE said

    O Muricy também apostava no México na copa do mundo

    Acho que isso é mais por sentimento do que qualquer coisa, José. Ele jogou lá grande parte da carreira e deve acompanhar o futebol de lá de perto. O México no período entre Copas tem ido cada vez melhor. Há duas Copas que se prevê que vai decolar e nunca confirma. E depois se errar previsão é desqualificante, seremos uma nação de mudos, hehehe

  26. nelson jr - uberlândia said

    Concordo com Muricy. Ontem o SP jogava melhor que o Palmeiras até o gol de empate. Mas é notória a queda de qualidade do SP a começar pelo R. Ceni. Pode sim classificar mas vai ter que melhorar muito para ser campeão e se não conseguir, creio que o Muricy Ramalho vai voltar a tomar chimarrão.

    Tomar chimarrão, Nélson? No lugar do Abel do do Roth?

  27. aNNaFLaVia said

    Primeiro vamos ver se chega.

    E gostei do novo visual do blog, Marcelo! Ficou bem bonito.

    Obrigado, Anna, já tinha cansado do outro. Mas esse também é provisório.

  28. JoaoBittar said

    Concordo plenamente com EmersonG. Excelente.
    Concordo com EmersonF no que diz respeito ao MAC.
    Ou pelo menos para esse MAC que aparece nas derrotas do SPFC.

    Alias, neste ponto gostaria de comentar (nao sem alguma empafia e soberba ( hehehehe), gostaria de salientar ) que os saopaulinos deste blog tem se comportado muito bem diante da dor da goleada sofrida e da “crise” que atravessa nosso time.
    Fora eu, e ateh mesmo eu, comentamos o jogo sem chorumelas. Muricy idem. PedroHenrique, o “doente” do Lance! como todos viram acima, tambem. Cavalheiros realistas, arriscaria.
    Como diria simpaticamente o Anisio, baixou a niveis razoaveis o indice de “insuportabilidade de vencedores” que a comunidade saopaulina ostenta.

    Exceto o MAC, claro.

  29. Bom dia.

    :o)

    João, o MAC é meu herói (e o outro MAC, o Marília, mora no meu coração, também).

    Se não fosse um contra-senso, eu diria que quero ser como o MAC quando crescer.
    O problema é que eu já cresci.
    E o outro problema é que eu sou mais alto que ele. Logo, teria que diminuir, fisicamente, para ser como ele.
    :o))

    O MAC é excelente pessoa e um ótimo dirigente de futebol.
    O fato de atrair sobre si raios e trovões é parte de seu job description.

    hehehehehehehehehehe

  30. EmersonF said

    Emerson Gonçalves,
    O Citadini fazia o mesmo papel no Corinthians e também sofria ataques. O problema é que o Citadini fazia parte de um Corinthians menos profissional. Espero que hoje esta fase esteja sendo superada. Prefiro o Rosenberg ao Citadini. O MAC pode fazer o papel de falastrão, de quem coloca o dedo na ferida, mesmo que ela não exista. Mas não deixa de ser um traço amador dentro de uma diretoria que se propõe a ser paradigma de profissionalismo.

    Emerson
    , Por que a diretoria do São Paulo se propõe a ser um paradigma de profissionalismo? A diretoria do São Paulo é amadora. O São Paulo segura a bandeira de que o amadorismo pode funcionar. Não se pode confundir amadorismo com ineficiência e profissionalismo com eficicência, comprometimento. Um sujeito como o MAC existe mais facilmente dentro de uma estrutura amadora. Mas há clubes estritamente profissionais que têm seus falastrões também.

  31. Maurício said

    Não podemos esquecer, que o jogo de domingo foi altamente enganoso. Segundo a maioria dos especialistas o jogo estava bem parelho até o primeiro penalti e isto até os 32 do segundo tempo. O São Paulo vai chegar? Pode até ser, embora muitos achem que se apertar eles vão largar o Paulistão, para se concentrar na Libertadores. Mata-mata é loteria. Na classificação de hoje, e o São Paulo chegando seria Guará x São Paulo (os dois jogos em São Paulo) e Palmeiras x Corinthians, onde tudo pode acontecer. Quanto este papo aqui levantado, pelo que sei o Dudú Cearense, não passou de um sonho de verão e o Roque Jr. è o que falou o Marcelo. Ele está há muito tempo sem jogar e desde 2002, jogou apenas 80 partidas. Era um, baita beque, mas que precisa estar em forma total para vingar.

    Maurício, se fosse hoje, os jogos seriam Guaratinguetá x Corinthians e Palmeiras x Ponte Preta. O São Paulo é o sétimo.

  32. Scipião Alves said

    (OFF) Por que a Globo não reprisou??
    Vejam no final desse vídeo a agressão do Jorge Wagner no Valdivia.

    Scipião, Vi o lance umas dez vezes. E não me convenci qual parte do Jorge Wagner atinge o Valdívia, se o joelho em cima, ou o pé embaixo ou ambos. É claro que houve uma ação intencional, mas o Valdívia valorizou. E valorizou porque provocou primeiro e sabia que vinha o revide. E pela posição dessa câmera não dá para saber ao certo como foi o lance. Para tirar a dúvida, só com outra imagem. Mas, de todo modo, esse lance é como aquele do Marcos no Malaquias, um totozinho. Não tem nada a ver com o que o Kléber fez.

  33. EmersonF said

    Marcelo,
    Quem se propõe a ser paradigma de profissionalismo é a diretoria do São Paulo. É a ela que sua pergunta deve ser endereçada. Eu apenas fiz uma constatação.

    Não, Emerson, a diretoria do São Paulo defende o modelo amador. O São Paulo se espelha no modelo do Real Madrid, de diretorias amadoras. Não confunda gerente com diretor.

  34. Citadini e Marco Aurélio são figuras sensacionais no universo do futebol.

    Talvez vocês pretendam que os clubes contratem porta-vozes como aquele um que servia a… Putz, não lembro o porta-voz e sequer lembro a quem ele servia.

    Mas lembro do Cláudio Humberto.
    Hehehehehehehehe
    E, por favor, sem julgamento moral, estou me referindo ao jeito “Cláudio Humberto” de ser.

    Futebol é paixão pura e não pode ter – só – personagens insossos e descoloridos (epa!), como se fossem todos diretores e porta-vozes de um tradicionalíssimo banco suíço.

    O erro, se erro existe, reside muito mais nos julgamentos severos que na prática do MAC e do Citadini.

  35. Anísio FC said

    Chato esse negócio do jogo ser disputado no dia seguinte, sempre tem uma choradeira, uma questão para os tribunais um dia depois do jogo…
    Não gosto de parecer magoado ou vingativo, mas quanto fizeram o rodízio pra dar porrada no Valdivia no jogo do Brasileirão não teve a diretoria do Palmeiras reclamando com tribunal no dia seguinte.
    Tem que saber perder!

  36. EmersonF said

    Um comentário sobre a resposta de nº 19 de Emerson Gonçalves. Notei que você ironizou as parcerias que relegaram o São Paulo a um segundo plano no futebol entre os anos 94 e 2004. Tenho certeza de que o futuro do futebol brasileiro está nas parcerias. Não há soluções para os clubes. Mas para isto ser feito, é necessário maturidade e parceiros idôneos. O Corinthians teve benefícios com o Excell e a Hicks Muse (acho que errei a grafia) e só não foi à frente por causa dos erros do próprio Corinthians. O caso da MSI não pode servir de modelo pois se tratou de um assunto que hoje está nas mãos da polícia e da Justiça. O Palmeiras saiu mal da parceria com a Parmalat por culpa de sua diretoria, que não aproveitou o bom momento para fortalecer o clube.
    O fato de o São Paulo não ter feito (ou conseguido) parceria não é mérito por si só. Não sei se o São Paulo teve a oportunidade de pensar em parcerias. Mas o fato é que o Tricolor só voltou a ser competitivo quando os rivais afundaram com o mau gerenciamento das parcerias.
    O Marcelo mostrou aqui que até o Vietnã compete para tirar jogadores do Brasil. Duas das maiores revelações do Brasileiro de 2007 ficaram de passagem no Brasil: Breno e William. Não seguramos craques e repatriamos apenas aqueles que se dão mal na Europa ou que estão em fim de carreira.
    Não vejo solução sem parceria. Mas que sejam bem feitas. Para isto, os exemplos de Palmeiras e Corinthians devem servir a todos. Não podemos, porém, jogar a criança fora junto com a água suja da banheira.

  37. Anísio FC said

    Achei perfeitamente válida a tentativa do Rogério Ceni de tentar desestabilizar o Kléber no 2° tempo do jogo, a cotovelada foi um fato, mas o próprio André Dias disse que recebeu desculpas no momento e as aceitou, agora mal consegue disfarçar que está sendo orientado a pesar nas declarações, assim fica parecendo que não sabe o exato significado da palavra desculpa…

    Não acho Citadini e MAC parecidos, duvido que MAC tivesse a mesma postura que ARQ teve quando da MSI, digo mais, duvido que vários dos que habitam no futebol atualmente teriam tamanha postura, no Palmeiras atualmente eu esperava uma oposição mais firme do Belluzzo em relação à contratação do Luxemburgo, afinal não precisa ser economista pra notar que, a princípio, os ônus serão muito maiores que os benefícios! Vá lá que não se saiba publicamente qual foi a opinião do Belluzzo nesse caso…
    Tenho certeza que MAC seria defensor ferrenho de qualquer ato que fosse tomado por uma diretoria que ele apoiasse.

  38. Gustavo Oliveira said

    Sobre as parecerias: Não creio que elas sejam necessárias, caso os dirigentes fossem competentes (pra não entrar no assunto honestidade) o suficiente para extrair dos clubes todo o potencial que eles têm. Na minha opnião em uma administração profissional a parceira irá comer os lucros que deveriam ser do clube. Diretorias que fazem parceria estão admitindo que não sabem gerenciar sozinhas, não conseguem com suas próprias pernas, o aporte financeiro necessário para engrenarem. Por que não montar-se uma estrutura de empresa dentro dos próprios times para fazer o que a parceira faria? O Milan, o Real Madrid, o Barcelona, a Inter, Bayern precisão de parceiros?
    A tal da parceria é uma muleta para a incompetência dos dirigentes que seguram o nosso futebol na idade média.

    Penso bem diferente, Gustavo. A parceria é excelente apenas para clubes bem administrados. Com ela o clube pode aumentar seu poder de investimento conseguir mais receitas (terá que dividi-las é verdade) e principalmente sair dela como um clube maior. O que não se pode fazer é trazer um parceiro com o clube mal das pernas. Pois aí o clube nem sequer terá força para negociar um bom acordo. Parceria não quer dizer entregar o comando do clube ao parceiro. Há muitas formas de parceria. E, para mim, só há uma pergunta a ser respondida: ao final da parceria o clube estará melhor do que estaria se não a fizer? Pensando retroativamente, a parceria da Parmalat foi boa porque o Palmeiras pós parceria era melhor do que antes. As parcerias do Corinthians não o foram pelo motivo inverso.

  39. JoaoBittar said

    EmersonF,
    v. tah se especializando em destruir o SPFC.
    Parece ateh que seu coracao balanca entre as duas bandeiras…
    Prah falar assim tao mal, tem que gostar muito. Amor e Odio…
    Ou vai ver, tem um filho saopaulino enrustido?
    Isso acontece nas melhores familias, o Corinthians judiou da sua torcida em 2007 e o SPFC lah, sempre altaneiro, como diz o hino de vcs.
    Haja fidelidade, nao eh facil mesmo!

    Essa das parcerias, por exemplo (nao ha filho que aguente… ) foi bem significativa.
    Vc. acusa o SPFC de NAO ter ou NAO conseguir uma parceria?
    EmersonF, fala serio,tah insinuando que temos inveja da Parmalat e MSI?

    Igualar as parcerias de Corinthians e Palmeiras eh uma forma tucano-demo de ser. Seus argumentos de que o SPFC nao ganhou nada naquele periodo, queriam dizer na verdade, que o Corinthians ( mas o Palmeiras tambem ), SOH ganhou com o anabolizante efeito pernicioso do dinheiro sujo que foi lavado nas lavanderias do Parque SaoJorge. Ultrapassou o nivel de “parceria” e caiu na vala comum da “formacao de quadrilha” como consta nos autos do processo.

    O Corinthians jah teve mais de uma parceria ( Hicks e MSI ) e nao aprendeu nada de nada com as duas. Nao sobrou pedra sobre pedra.
    Ingenuidade pensarmos que parcerias sao as que tivemos por aqui (no Vasco, Cruzeiro, Gremio todas deixaram os clubes proximos do fiasco apos o fim da grana ) possam ser modelos de alguma coisa.

    Nao se pode se referir a MSI nem como MAU exemplo. Ateh a FIFA jah enquadrou o “negocio” que o falecido Dualib “tocava” por lah em outro artigo do Codigo Penal..

    Você esqueceu o Banco Excel, João. Foram três.

  40. JoaoBittar said

    Excelente Gustavo!
    E o Sport Club Corinthians Paulista eh bastante GRANDE para existir sem elas. Tem Muito Mais corinthiano competente do que faz supor a eleicao das diretorias dualibescas.

  41. Cesar Augusto said

    O Citadini, vale ressaltar, sempre foi aliado do Dualib. O problema é que, no caso MSI, o Dualib necessitava do apoio da oposição, encabeçada pelo Sanches, para aprovar a parceria.

    O Citadini foi jogado para escanteio. E ficou melindrado. O seu discurso de que os problemas do Corinthians decorrem apenas da MSI é casuísta. E oportunista. Quem ouvia o Citadini, antes da MSI, sabe que ele sempre foi a favor das parcerias. Mas, como no caso MSI, ele seria um mero coadjuvante, começou a falar mal da parceira, com certa razão.

    O padrão Citadini é de falar apenas o que lhe convém, omitindo, por exemplo, que sempre foi ferrenho defensor do Dualib.
    Agora é a mesma coisa.

    Qualquer ação da direção do Corinthians é ironizada pelo Citadini que, pensando apenas no seu grupo político, rema contra a maré e, por conseqüência, contra os interesses do Corinthians.

    O Citadini, até tem boas idéias, mas, neste momento, apenas atrapalha o Corinthians, porque, novamente, não está no comando da situação. O seu blog vive de ilações e comentários dúbios contra o Andrés, que não é o Presidente ideal para o Corinthians, mas, por enquanto, vem fazendo uma gestão bastante aceitável.

    César, você está fazendo uma confusão. O Andrés Sánchez não era da oposição na época da MSI. Ele era vice-presidente de Esportes Terrerestres, que na época englobava também as catagorias de base do futebol. O Andrés creceu no Corinthians durante a gestão Dualib, pelas mãos do seu antigo proetor, Nesi Curi, que por mais de uma década foi o cacique do futebol amador.
    Sánchez não foi um apoiador da parceria de primeira hora, mas quase de primeira hora. O Citadini, ao contrário se opôs à MSI e rompeu com Dualib, apostando que o fracasso da parceria o conduziria à presidência. O que ele não contava foi que o Sánchez fizesse um cálculo parecido, passando também à oposição. O Citadini não acreditou que o Sánchez conseguisse reunir apoios em torno dele, mas errou.
    Quando viu que o campo da oposição estava ocupado, tentou uma última manobra e voltou à situação. Mas ai era tarde demais.
    As movimentações do Citadini e do Sánchez devem ser vistas mais pela ótica do projeto político pessoal de cada um do que por outra coisa.
    Por fim, criticar a administração não é ser contra o Corinthians, ao contrário. O papel da oposição é essencial, em qualquer situação. E a oposição fará um papel melhor se em vez de fazer futricas realmente fiscalizar a administração do clube, refazendo as contas exigindo transparência, analisando contratos e tudo o mais. O fato de Sánchez estar fazendo uma boa administração torna a oposição ainda mais importante, para não deixar que o clube cometa de novo o mesmo erro. Não se pode esquecer que em 2000 a administração Dualib era celebrada como a melhor da história do clube.

  42. Anísio FC said

    Bem…
    O Citadini não é dirigente do meu time, mas não vejo nada demais ele ter sido aliado do Dualibi, não seria por isso que não faria com que ficasse menos isento.
    Acho a questão MSI muito maior, muito mais condenável que tudo e Andrés Sanchez sempre esteve do lado da parceria.
    Entre ser a favor de A ou B, sempre preferiria ficar ao lado de alguém que sempre foi contra a parceria.

  43. Pô, EmersonF, fala sério…

    Não acredito que você acredite em parcerias.

    Nesse ponto divergimos radicalmente.
    O Conselho do São Paulo e os “Cardeais” nunca viram com bons olhos as parcerias, embora tenham visto com alguma boa-vontade a da Parmalat. O SP sempre acreditou que teria, e tem, condições de crescer sem parceria e sem passar o controle de sua vida, de suas ações, de seu patrimônio, para quem quer que seja.

    E o Corinthians foi amplamente beneficiado pela MSI. Dinheiro foi injetado, dívidas foram pagas, jogadores de peso e renome foram negociados. O título de 2005 é fruto da parceria, creio que nem você irá negar tal fato. O Corinthians ganhou porque tinha Tevez, Mascherano, Carlos Alberto, Roger, Marcelo Mattos, Nilmar…

    Esse último, sim, baita dor-de-cabeça como herança. Mas não diminua a importância da MSI para o Corinthians. Não é correto.

    Quanto ao Vietnã…
    Ia comentar a respeito no post, mas faltou-me tempo.

    Tirando os clubes do mundo dourado do futebol, ninguém compete com o Brasil.
    Temos que enxergar a nossa realidade: lançamos no mercado, todo ano, de três a quatro mil “jogadores” de futebol, no mínimo. Muito no mínimo.
    Não temos mercado nem para 5% (5 e não 50) desses garotos.
    Temos, com enorme e ridícula boa vontade, 100 times profissionais no Brasil inteiro. E olhe lá. Esses times não conseguem absorver mais que duzentos garotos por ano em condições teoricamente ideais. Ou trezentos, ou mesmo quinhentos, delirando.
    Sobra uma massa gigantesca de pé-de-obra que vai trabalhar na construção civil, na padaria, na fábrica, na olaria, na roça…
    Uma parcela mais teimosa tenta a vida no exterior.

    Vietnã, Coréia, Islândia, Nicarágua, Peru, Bolívia…

    Não, xará e Marcelo, o Vietnã não compete com o Brasil.
    Nem por sonho.

    Nem a Ucrânia compete. Nesse caso, quem compete é o bilionário dono de time que gasta o que quer, quando quer, onde quer, a la Abramovich.

  44. O Corinthians teve três parcerias, João. Você esqueceu o Excel.

    O Cesar Augusto falou muito bem sobre o Citadini atual.

    Mas a minha referência a ele não é pelo momento atual, e sim quando ele era diretor do Corinthians e “batia boca” com o MAC e com o Marcelo Portugal Gouvêa. É a esse Citadini que me refiro.

    O lado político dele não me surpreende. Por coincidência, conheci-o em 74, a ele e à sua falecida esposa, a Eliane, quando militamos no velho MDB. Ele já ligado ao Quércia, e eu, molecão, usando embaixo da camisa do velho “Manda Brasa”, uma outra camisa, proibida pela repressão do regime militar. Uma coisa é certa: ele é leal e nunca abandonou o Quércia, graças a quem foi nomeado para o TCE.

  45. Anísio FC said

    Mas a minha referência a ele não é pelo momento atual, e sim quando ele era diretor do Corinthians e “batia boca” com o MAC e com o Marcelo Portugal Gouvêa. É a esse Citadini que me refiro.

    Aquele Citadini era bem calculado, também era semifolclórico…

  46. Cesar Augusto said

    Oposição, na época do Dualib, era, praticamente, um termo inexistente, Marcelo.

    Talvez tenha utilizado o termo incorreto. O Sanches, ao Dualib, naquele momento era mais necessário que o Citadini, por sua proximidade com o nefasto Nesi Cury.

    Acho que ambos, Citadini e Sanches, obviamente, queriam ser Presidente do Corinthians, só que o Sanches, após a degola do Dualib, deu a cara a tapa e sempre se assumiu candidato. O Citadini, ao contrário, se escondeu.

    Agora, Marcelo, oposição construtiva é salutar, principalmente, num clube que nos últimos 50 anos teve meia-dúzia de Presidentes. A democracia deve imperar, sempre.

    Mas, o Citadini, atualmente, vive de futricas, notinhas, ilações e mais nada. A proposta da oposição capitaneada pelo Citadini, no momento, é atravancar o crescimento do clube, porque se a administração Sanches vinga, certamente, no aspecto político, a oposição, a curto prazo, demorará para tomar o poder no Corinthians.

    E a cadeira de Presidente do Corinthians é doce.

  47. EmersonF said

    Senhores,
    Vamos por parte:

    1 – Marcelo, quando eu digo profissional é no sentido adjetivado. Profissional, neste caso, significa competente, a antítese de amador. Vc está pegando no pé da letra. Neste caso, sei que as diretorias de clubes são formalmente amadoras.

    2 – João, o Corinthians teve parcerias com o Banco Excell e a Hicks Muse. E saiu maior das duas. Só não melhorou mais porque era administrado por Duailib & cia. Quando houve o acordo com o Excell, havia uma dívida de cerca de 20 milhões. O Banco pagou e deixou bons jogadores atuando pelo time. A Hicks chegou e teve que pagar mais um valor semelhante de dívidas. Pagou e manteve durante algum tempo bons jogadores no clube.

    3 – O caso MSI é de polícia, não serve para avaliar parcerias.

    4 – Não sou anti-tricolor. E meus dois filhos (18 e 11 anos) são corintianos roxos. Corintiano nunca tem filho são-paulino. Apesar de os são-paulinos gerarem com freqüência grandes corintianos.

    5 – Parceria é um grande negócio. E não é só no futebol. O Corinthians, por exemplo, poderia ter parcerias que gerassem contratações, estádio, melhorias nas instalações no já bom CT etc. Além disso, os parceiros poderiam gerar negócios em sociedade, como a instalação de franquias exclusivas do Corinthians em shoppings e regiões de grande comércio, principalmente em cidades do interior. Os produtos poderia obedecer as necessidades dos variados poderes aquisitivos dos corintianos.

    6 – Pensar em parcerias requer criatividade e grandeza. Pensar só em MSI é pequeno. Esqueçamos estes sujeitos. Repito: nas duas primeiras parcerias, o Corinthians saiu maior. Só não foi melhor ainda por culpa de Duailibs & cia. A Parmalat fez uma excelente co-gestão com o Palmeiras, que só não se saiu melhor por causa dos Mustaphas da vida.

    7 – Perdão, João, mas o São Paulo foi relegado a segundo plano entre 94 e 2004. Não ganhou praticamente nada. Ou estou cometendo algum equívoco?

  48. Gustavo Oliveira said

    Marcelo, o que é parceria para você? Quando eu falei de parceria estava me referindo ao modelo que foi utilizado no brasil onde o clube entrega a gestão do futebol ao seu parceiro. Isso é sempre sinal de incompetência, quem tem que mandar no futebol é o clube, sempre.

  49. EmersonF said

    Gustavo,
    Ainda não tivemos no futebol grandes modelos de parceria. É possível fazer coisa muito melhor, que una competência de dirigentes e empresas, honestidade e lucros. Aliás, não é só possível, é urgente.

  50. Anísio FC said

    A parceria com a Parmalat foi um achado e foi lucrativa pras duas partes, tivéssemos um presidente mais amante de futebol que o Bostafá estaríamos muito melhores hoje em matéria de futebol.
    Não gosto de parceria como a atual do Palmeiras, se bem que não é bem uma parceria é mais um negócio mesmo!
    E sobre o amadorismo dos dirigentes de futebol eu tambpem tinha pensado parecido com o EF, difícil falar de profissionais quando tivemos o espetáculo recente de amadorismo do Botachoro, por exemplo.
    E até acho que com boas parcerias poderíamos segurar um tantinho mais as nossas revelações!

  51. JoaoBittar said

    o EmersoF,
    essa historia de gerar filhos corinthianos eh forte hein?
    Deve ser porisso que a torcida do Corinthians Diminuiu um ponto no ultimo Datafolha ( no Estado de S.Paulo e na Capital ) de torcidas e a do SPFC subiu um ponto ou dois. Deve ser isso.Parabens pelos filhos Corintianos , espero que eles relevem o fato de ter que suportar tanta ingratidao e destruicao do clube desde que nasceram. Sao uns herois.
    ( ou vc. usa algum metodo mais persuasivo…? )
    De 94 a 2004, participamos da Libertadores com menos fiascos que vcs. e ganhamos algum campeonatinho paulista jogando contra o Timao em 98, mas nao fizemos papelao em nenhum anos desses. Isso me conforta. Nao se pode ganhar sempre enem sempre a vitoria satisfaz, ou v. gostou muito daquele titulo de 2005. Tem orgulho dele? E aquele outro do verao de 2000, que “ninguem discute” vc. trocaria por uma Libertadores?

  52. Gustavo Oliveira said

    Joao, a perrenga não é comigo, mas me sinto no dever cívico corinthiano de intervir. Quando você pergunta se temos orgulho do título de 2005, é preciso esclarecer em que sentido você pergunta isso? Se você se refere ao fato dos jogos do escândalo de arbitragem terem sido jogados novamente, eu te pergunto o que o corinthians tem a ver com isso? Alias, quando surgiu o fato, muita gente boa defendeu a anulação dos jogos, e depois mudou de idéia ao pereceber que o corinthians podia sair lucrando.
    Se a sua pergunta tem relação com o erro de arbitragem do jogo Corinthians x Internacional, vale lembrar que o campeonato era de pontos corridos, e do mesmo jeito que o corinthians foi beneficiado nesse jogo foi prejudicado em outros, assim como o Internacional.
    Como título estritamente eu tenho orgulho dele sim. Não tenho porque não ter.
    Só lamento que o fator determinante para ganhar esse título foi a MSI e o preço dele nós pagamos até hoje. Se você me perguntar se eu o trocaria por não ter tido a MSI na história do corinthians aí sim a minha resposta seria SIM, sem dúvida.
    Sobre o título de 2000 eu não trocaria nunca por uma libertadores. O mundo é maior que a américa do sul, e não há o que você diga que possa me convercer que a libertadores vale mais.

  53. Maurício said

    Pa Marcelo, você gosta. O mundo sabe que o São Paulo é o sétimo. O que eu disse é que o São Paulo vai chegar no lugar da Ponte e ficará em quarto lugar, dai o cruzamento que apresentei. Sei que é futurologia, mas tudo é possível.

    Então me desculpe, Maurício, entendi mal.

  54. Gustavo Oliveira said

    Joao, sigo advogando para o EF (embora ele não precise, hehehe).
    Você sita o crescimento do São Paulo na pesquisa Data Folha e a queda do corinthians, ambas de um ponto percentual. Isso se chama “margem de erro” amigão, e ela é de dois porcento. Se considerarmos os números absolutos, “a torcida que mais cresce no Brasil”, em agosto de 2007 era menor que a do Palmeiras (8 x 7 para os verdes). Já em agosto os tricolores os superaram (6 x 7). Você é inteligente, acha mesmo que o Palmeiras perdeu 2% da sua torcida em 3 meses?
    Alias é só analisar os números das pesquisas desde 1993 para ver como os números se mantém oscilando em torno da média. Pra te facilitar, tem esse estudo aqui, bem elucidativo:
    http://globoesporte.globo.com/ESP/Noticia/Futebol/0,,MUL261739-4274,00.html
    Parece que o crescimento da torcida do SPFC é como gosta de dizer nosso amigo EG, mais uma lenda urbana.

  55. EmersonF said

    Obrigado, Gustavo
    Eu iria responder ao João, mas vc já o fez. Não assumir que o São Paulo ficou em segundo plano de 94 a 2004 é o fim. Paulistinha sobre o Corinthians? Goleamos o SP em uma semifinal de Paulista. Numa única quinzena, ganhamos a Copa do Brasil e o Rio-SP do São Paulo. Raí foi humilhado pelo Dida em uma semifinal de Brasileiro. Fora ter visto o SP levar de 7 da Lusa e do Vasco.
    Mas não é esta discussão que eu quero levar, João. É sobre parcerias. E para fazer um bom diagnóstico, temos que enfrentar os fatos. Sem parceiros, o SP apenas assistiu o sucesso de Corinthians e Palmeiras. Vc está muito pacheco ultimamente.

    Obs: são-paulinos geram filhos corintianos. Conheço vários. Mas não conheço o contrário. E trocer mpara o Corinthians não é tão ruim não. Estamos há dois anos sem títulos. Mas a fase anterior ainda compensa. Vcs ficaram dez anos sem ganhar nada importante e dizem que aumentaram a torcida. Qual seria a diferença?

  56. Anísio FC said

    Já houve o caso do currículo ser usado como símbolo fálico no entrevero EF x RL, agora o símbolo fálico é torcida.
    Me incomoda isso, pra mim não tem significado algum meu time não ser o de maior torcida, sei que ele é dos grandes, é o que me basta.
    E eu não tenho lado masoquista algum, mas geralmente os times que gosto em vários lugares raramente são os de maior torcida e quando são sempre aparece uma pesquisa aqui outra ali contestando, exemplos são o Vila Nova e Atlético Paranaense.
    Explico que a estranha mania de arrumar um time pra torcer em variados lugares não se traduz na mesma fidelidade ferrenha que tenho com o Palmeiras e o Vitória.

  57. JoaoBittar said

    Queridos Emerson E Gustavo,

    Eu conheco varios corinthianos com filhos saopulinos e nao ao contrario.
    Vai saber. Inclusive casados com saopaulinas que influenciam, ou tem mais facilidade para influenciar os filhos que os pais e vcs. corinthianos.
    Emerson, que tava mal era o SPFC lembra? Mas do seu time,
    Vc. esqueceu da dores daquele periodo. E que dores!!!!.
    Como perder a Libertadores de 99 simplesmente pro Palmeiras. O mundo caiu e vcs. execraram uma turma que vinha muito bem. Nao foi nada glorioso. Foi triste pro um corinthiano.

    Copa Libertadores ( sabe o que eh ? ) nessa epoca “gloriosa” pra vcs. EmersonF, foi quando o Timao ganhou o apelido de Sem Passaporte, time caseiro, de esquema. Glorioso? Sei nao…Se vc. acha….
    Vc. diz ” Dois anos que nao ganhamos nada” se referndo a 06 e 07.
    Ok, foi soh isso? nao eh soh isso nao EmersonF.
    Faca-me o favor, pense comigo:
    Voces cairam pra Segundona pela primeira vez na gloriosa ( essa sim )historia alvinegra, e ainda sim vc. acha que tah tudo bem?
    EmersonF, pensa noutra da proxima vez. Essa foi fraca.

  58. Gustavo Oliveira said

    Joao, sua resposta vale só pro Emerson. Pra mim não faz sentido discutir se existem mais corinthiano filhos de sãopaulinos ou vice-versa, porque enquanto não tiver pesquisa a respeito. Será tudo baseado em achismo e experiências pessoais completamente pontuais.
    A minha contra-argumentação foi em cima de pesquisas, e você não contestou. Também quis saber porque, você considera o título de 2005 não é passível de nos orgulharmos, já que existem várias maneiras de interpretar essa idéia, mas você não respondeu.
    Mas você contesta as glórias obtidas entre 1998 e 2005. Nesse período o Corinthians foi o time mais vencedor. Ganhamos 1 mundial (2000), 3 brasileiros (1998,1999,2005), uma copa do brasil (2002), 1 Rio-São paulo (2002) e 3 paulistas (1999, 2001 e 2003). Só passamos em branco em 2004 (não considero a taça são paulo de juniores como título a ser contado). Foram anos de glória para o corinthians sim. Perder para duas vezes na Libertadores para o Palmeiras dói sim, mas não fazem desses anos menos gloriosos. E o fato de ter conquistado o torneio mais importante que disputou nesse período, o Mundial de 2000, por si só já basta. Ou será que só a Libertadores, que até 15 anos atrás era só um torneio que atrapalhava o calendário, é que vale como glória agora?
    Hoje vivemos a era negra da história do corinthians. Mas vai passar tenho certeza. Assim como a boa fase do São Paulo também vai, apesar dos são-paulinos acreditarem que ela irá durar pra sempre. A história esta ai para provar que essas coisas são cíclicas. As torcidas de Internacional (quase rebaixado ha pouco tempo, campeão do mundo em seguida), Gremio (quer volta por cima maior?), Fluminense (esse chegou no fundo do poço) sabem bem disso…

    Caro Gustavo, de tudo o que escreveu, concordo com quase tudo. Mas me permita um ponto. A história é cheia de fases, mas isso não quer dizer que seja cíclica. As coisas não voltam a ser o que eram. E as más fases de um não são iguais às más fases de outro. Esse buraco onde o Corinthians se encontra agora o São Paulo talvez só tenha vivenciado quando teve de abrir o clube, após o fechamento de seu antecessor, o São Paulo da Floresta, mergulhado em dívidas.
    E, por outro lado, as fases não são reflexo de nenhuma ordem natural das coisas, são reflexo das ações humanas. Assim, se a diretoria do São Paulo continuar a acertar nas suas decisões, o clube certamente vai continuar a ganhar títulos numa boa proporção. O Corinthians, por seu lado, precisará acertar muito e durante alguns anos para chegar ao ponto em que o São Paulo está agora, do ponto de vista de estrutura. Ganhar títulos é muito importante, mas não dá muita garantia contra tempestadas como a qual o clube vive agora (basta ver que o Dualib foi o presidente mais campeão da hiostória alvinegra).

  59. “Obs: são-paulinos geram filhos corintianos. Conheço vários. Mas não conheço o contrário.”

    Xará, vou te apresentar um: Chico Lang.

    :o)

    Gustavo, analise as pesquisas – várias – no período de dez anos e você verá, de forma consistente, o crescimento da torcida do São Paulo.

    No mais, o São Paulo nada ganhou entre 94 e 2004, mas não teve sua história conspurcada por associações estranhas.
    Enfim, como disse o Xará, o Corinthians saiu maior de cada uma delas…

  60. JoaoBittar said

    Gustavo,
    nao duvido das conquistas do Corinthians. Parabens.
    Nesse periodo o SPFC nao ganhou nada, ok.( porque 94 e 2004?)
    Mas nao fui eu falei o contrario. Soh disse que tem fases boas e outras ruins e que tenho orgulho das boas e nao demos vexame nas ruins.
    O EmersonF, vem com cada papo!!!

    Quanto aso ciclos,repare que seu time, soh ganhou mesmo com parcerias e que elas foram danosas ao clube. Inclusive o rebaixamento que vcs. parecem nao contabilizar, foi numa dessas.
    E Mundiais , cada um comemore o seu. Jah o BR de 2005 nao foi entre 94 e 2004 como vc. deve perceber e foi citado no relatorio sobre lavagem de dinheiro da FIFA ( Parabens!). .#3 Paulistinhas!!!
    Soh 98 e 99 Excel ou Hicks, nao lembro foi legal,mas tem divida ateh
    ateh hoje pra vcs. pagarem.
    Mas se comparar a performances ( spxSCCP) entre 91 e 2007 talvez vcs. se convencam que o SPFC nao eh essa porcaria que vcs. gostariam que fosse, ao contrario. Ganhamos tres brasileiros, tres Libertadores,tres mundiais. 5 Paulistinhas. Menor que o TodoPoderoso nao somos.
    Pelo menos em titulos.

  61. Anísio FC said

    Marcelo…
    Essa excelência como a do SPFC desemboca em paixão? Em torcedores?
    Tradição (No sentido de antiguidade), identificação econômica com o povo que é maioria, simpatia, hereditariedade (Na verdade influência paterna mesmo!) e alguns outros fatores não contribuem muito mais para o crescimento de uma torcida?
    Se excelência, títulos, etc. for o parâmetro pra que o time seja mais respeitado, mais “torcido”, alguém precisaria de fazer um estudo bem profundo sobre essas coisas, pois não há como negar que o que o SPFC tem de ser time sem rival claro, o Corinthians tem o equivalente em falta de excelência e de falta de títulos importantes (Só o fato de não ter uma Libertadores é quase imperdoável para um time com tamanha torcida) e esse time ficou 23 anos sem título nenhum e a torcida só fazia crescer. Será que o povo paulista é masoquista?

  62. Anísio FC said

    Ah! eu acho essa briga de egos um saco.
    Do jeito que é posto só se torce pra um time pelo tamanho da sua torcida, pela sua quantidade de títulos, pela sua tradição, etc…
    Torcedores da Lusa, Juventus, Campo Grande, Olaria, America-MG, Sção José, Cruzeiro-RS, Atlético de Madrid, Rayo Vallecano, só pra citar times de capitais onde os outros é que são grandes, os torcedores desses pequenos devem ser depressivos, suicidas em potencial, funestos…
    Besteira. Meu time é importante porque é meu time, nada a ver com conquistas, torcidas, tradições, etc… O mundo seria muito reto e óbvio se essas coisas fossem tão racionais…

  63. Gustavo Oliveira said

    EG, foi exatamente o que eu fiz, analisei as pesquisas do Data Folha de 1993 a 2007, como esta no link, e o que se constata é que a mudança nesse período de 14 anos foi de 1% dentro do limite da margem de erro. No mesmo período as torcidas de corinthians e palmeiras “aumentaram” 2%, também dentro da margem de erro. Mais analisado que isso não tem jeito. Os dados estão no link do comentário é só checar.
    Se você conhece outros dados, por favor apresente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: